terça-feira, 17 de outubro de 2017

Solidão




Cai chuva, chora.
Chora, chora.
Solidão, solidão!

Já não canta o pássaro.
Calou-se a voz, a alegre, a rara.
A que se ouvia solitária.
Cai chuva.

Não sou freira e estou num convento.
A paz, o silêncio, a chuva, os claustros...
Ser freira!

O sequestro, cantar, rezar.
Cai chuva, rude e sem dor.
Tu não choras.
Sou eu que choro.

Que é do pássaro, como cantava?
Voltou, voltou. Pia!
Bendito pássaro, onde estás?
Acompanha-me, já não chove.
Solidão, melancolia.


Irene Lisboa, in 'Outono Havias de Vir'




4 comentários:

  1. Ai, achei triste, mas lindo , profundo! bjss

    ResponderEliminar
  2. Pelo que hoje li a chuva finalmente chegou.
    Esperemos que ajude a pôr cobro a essa tragédia que afecta Portugal.

    ResponderEliminar
  3. Belíssima partilha querida amiga, que a solidão nunca nos invada o coração, beijinhos muitas felicidades

    ResponderEliminar
  4. Singela e terna essa partilha, amei!
    Abraços afetuosos!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.