04/10/2017

Quando eu sonhava - Poema de Almeida Garrett




Quando eu sonhava, era assim
Que nos meus sonhos a via;
E era assim que me fugia,
Apenas eu despertava,
Essa imagem fugidia
Que nunca pude alcançar.
Agora, que estou desperto,
Agora a vejo fixar...
Para quê? - Quando era vaga,
Uma ideia, um pensamento,
Um raio de estrela incerto
No imenso firmamento,
Uma quimera, um vão sonho,
Eu sonhava - mas vivia:
Prazer não sabia o que era,
Mas dor, não na conhecia ...


Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'




9 comentários:

  1. Sonhar é sempre preciso.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo mais esse poema bem escolhido! Lindo dia! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Um linda partilha que eu já conhecia dos tempos de escola ,desejo-lhe uma quarta-feira muito feliz beijinhos querida amiga muitas felicidades

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito Maria Rodrigues!
    Uma linda escolha.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  5. Bonito poema, Maria. Os sonhos e as suas explicações... Há sonhos que são melhores que as realizações deles...
    Um abração

    ResponderEliminar
  6. È o sentir de um dos nossos maiores românticos, se não o maior deles!
    Beijinho, Maria.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo