quinta-feira, 29 de abril de 2010

Pintor Botticelli


Alessandro di Mariano di Vanni Filipepi, dito Sandro Botticelli (Florença, Itália, 1º de março de 1445 – Florença, Itália, 17 de maio de 1510)




Um dos mais importantes nomes do Renascimento, algumas de suas obras, como O Nascimento da Vênus e Primavera, são consideradas exemplos perfeitos do ideal renascentista.




Nascido em Florença, Alessandro Di Mariano Filipepi era filho de um curtidor de couro. O nome Botticelli foi derivado do apelido de seu irmão mais velho, Giovani, conhecido como II Botticello (o pequeno barril). Ainda na infância, tornou-se aprendiz de ourives, mas logo descobriu a sua preferência pela pintura.

Com dezoito anos de idade, iniciou a sua formação de pintor com Fra Filippo Lippi, um dos pintores mais célebres de Florença, que influencia fortemente suas primeiras obras. Trabalhou mais tarde com o pintor e gravador Antonio Del Pollaiuolo. Em 1470, já tinha o seu próprio ateliê em Florença. Ficou famoso pelos seus retratos, tendo tido como patronos a família Médici.

Botticelli pintou não apenas Giuliano, irmão do poderoso Lorenzo de Médici, como também fez retratos póstumos de seu avô Cosimo de Médici e de seu pai, Piero. As feições dos membros da família Médici também foram usadas para compor os personagens do quadro Adoração dos Magos (1476-1477).




Pintou cenas mitológicas, como "A Primavera" (1477) e "O Nascimento da Vênus" (1483), uma das mais célebres obras do renascimento.



Também fez muitos quadros com temática religiosa. Destacam-se: A Virgem Escrevendo o Magnificat (década de 1480).



Fresco sobre Santo Agostinho (1480), A Virgem com o Menino e Dois Santos (1485), São Sebastião (1473-1474) A Coroação da Virgem (1490)



Em 1481, Botticelli foi chamado a Roma pelo Papa Sisto 4º. para trabalhar, junto com Ghirlandaio, Luca Signorelli, Cosimo Rosselli e Perugino, na decoração da capela Sistina, no Vaticano, onde realizou os afrescos "O castigo dos Rebeldes".




"As provações de Moisés,



e a "Tentação de Cristo".



Os anos que se seguiram a 1494 foram difíceis tanto para a cidade de Florença como para o pintor. Os Medici perderam o poder e o monge dominicano Girolamo Savonarola instaurou um governo republicano que criticava a corrupção da Igreja. Botticelli refletiu a tensão do período e a devoção religiosa em "Pietá" (década de 1490), "Crucificação Mística" (1497) e "Natividade Mística" (1501).




Totalmente dedicado à sua arte, Sandro Botticelli não casou nem teve filhos. Morreu em Florença.

Fontes: Wikipedia, netsaber, sabercultural, outros.



"As grandes obras de arte somente são grandes por serem acessíveis e compreendidas por todos." (Leon Tolstoi)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Camélia a flor da fidelidade




A Camélia é um arbusto formado por uma folhagem brilhante que se mantém verde inclusive no Inverno, daí ser chamada a flor da fidelidade.

As suas flores são exuberantes e ao contrário da maior parte das flores, elas impõem a sua beleza numa época do ano em que as condições climatéricas se apresentam menos favoráveis, oferecendo nas estações frias do Outono e Inverno uma flor de incrível beleza que pode ser de cor branca, rosa, vermelha e matizadas de branco e vermelho.


São originárias da Ásia, as flores depois de apanhadas podem durar vários dias dentro de uma jarra com água, as folhas sendo muito resistentes e brilhantes, são muito decorativas e excelentes para colocar juntamente com outras flores, funcionando como acompanhamento em arranjos florais.




Reprodução: A camélia reproduz-se por sementes, estacas retiradas das pontas dos ramos de plantas adultas e sadias. Em viveiros, é possível adquirir mudas de camélia já crescidas, o que facilita bastante o cultivo.

Floração: Outono e Inverno

Solo: O solo deve ser fértil e bem drenado. Para o plantio em vasos, recomenda-se a seguinte mistura: 2 partes de terra comum, 1 parte de terra vegetal e 1 parte de composto orgânico.

Temperatura e luz : O clima ideal para o cultivo é o ameno, pois a planta não adapta-se bem a temperaturas elevadas. Por outro lado, a camélia é bem resistente ao frio, inclusive às geadas. Pode ser cultivada à meia-sombra, desde que receba luz solar directa algumas horas por dia.

Rega: As regas devem ser frequentes nos primeiros meses após o plantio da muda e, depois, podem ser espaçadas, evitando o encharcamento do solo.

Podas: Para manter um visual equilibrado, principalmente na camélia cultivada em um jardim, recomenda-se uma poda de formação, após o término da floração. Retirar pequenos ramos da ponta ou do meio e colocar para enraizar em substrato tipo areia ou casca de arroz carbonizada, mantidas húmidas e à sombra. Os ramos da ponta produzem flores em 3 a 4 anos enquanto os do meio levam mais tempo.

Pragas e doenças: As camélias em geral; são bem rústicas e resistentes, mas em condições adversas podem ser atacadas por pulgões, cochonilhas e até por formigas que costumam atacar as folhas novas. Quanto às doenças, quando há excesso de água das regas, podem surgir doenças causadas por fungos, que aparecem na forma de manchas semelhantes à ferrugem nas folhas.




Dicas: Para afastar pulgões, ferver algumas folhas de arruda, coar e diluir em um pouco de água. Borrifar nas folhas e brotos atacados. O chá feito com folhas de losna combate pulgões e também cochonilhas.

Curiosidades: É a flor inspiradora do romance "A Dama das Camélias", de Alexandre Dumas Filho. Na linguagem das flores, as camélias brancas significam virtude despretensiosa e beleza perfeita, ao passo que as camélias cor-de-rosa representam a grandeza da alma e as camélias vermelhas o reconhecimento. A tradição popular fala de uma antiga rivalidade entre a Rosa e a Camélia por, a primeira, ser tão perfumada mas terrivelmente espinhosa e, a segunda, ser meiga mas ter um cheiro tão ténue, quase inexistente.



Fontes: “Mundodeflores”, “Wikipedia”, PlantasdeInterior”, “JardimdeFlores”, outros net
Fotos: Pessoais


terça-feira, 27 de abril de 2010

A Arte de trabalhar metal

O trabalho da artista canadense, Cal Lane é simplesmente maravilhoso.
Cal Lane, usa a técnica de soldadura e ferramentas de corte de metal para criar delicados padrões rendados, como se fossem filigranas em superfícies de metal.



Os objectos escolhidos para o seu trabalho são de lixo industrial e doméstico, como velhos bidons de óleo, pás, tampas de esgotos, pedaços de maquinaria e de automóveis.


Ela trabalha objectos de grandes proporções, material reciclado ou totalmente desprovido de beleza estética , tornando peças “brutas” em verdadeiras peças de arte.


O que ela faz tem algum significado : Ela mesmo define seu trabalho !



" Eu gosto de trabalhar como advogado do diabo visual, utilizando contradição como um veículo para encontrar meu caminho para uma imagem de empatia, uma imagem de oposição que cria um equilíbrio - assim como um choque -, comparando e contrastando ideias e materiais, manifestado em uma série de "Industrial Doilies", reunindo industrial e doméstico vida, bem como as relações de forte e delicado, masculino e feminino, prático e frivolidade, ornamentos e função....”


“O aço que esmago e corto em finas rendas criam uma cortina de perturbação e tristeza, um conflito de atração para trabalhar fantasias”.



“Eu gosto de trabalhar como artista visual, utilizando a contradição como um veículo para encontrar meu caminho com imagens que criam um equilíbrio - assim como um choque - comparando e contrastando idéias e materiais”.



Esta artista utiliza as ferramentas de soldadura como um pincel para criar arte. A sua criatividade é impressionante.



"A arte consiste em fazer os outros sentir o que nós sentimos, em os libertar deles mesmos, propondo-lhes a nossa personalidade para especial libertação." (Fernando Pessoa)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Fácil e Difícil



"É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo."



Autor: Embora seja atribuído em muitos sites a Fernando Pessoa, segundo o Wikiquote carece de fontes.


"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena." (Fernando Pessoa)

Jardim Oriental Buddha Éden - Quinta dos Loridos

A Quinta dos Loridos, está situada na freguesia do Carvalhal, concelho do Bombarral.

Foto: Wikipedia_Carlos Luis M C da Cruz

Outrora, estas terras foram pertença do Mosteiro de Alcobaça, que as doou a João Annes Lourido, em 1430. No século XVI a família Sanches de Baena reconstruiu este Solar que é hoje um belo exemplo da nobre arquitectura rural do século XVIII, ostentando o orgulhoso brasão da família Sanches de Baena. A quinta pertenceu mais tarde à família portuguesa Sepúlveda e foi comprada pela JP em 1989, que tem como accionista maioritário o empresário Joe Berardo.

O jardim “Jardim Buda Eden” - O Jardim da paz - foi idealizado e concebido pelo Comendador José Berardo, em resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, naquele que foi um dos maiores actos de barbárie cultural, apagando da memória obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara.

O jardim está a ser construído numa área de 35 hectares, pretendendo-se que seja um espaço de calma e paz de espírito. Entre budas, pagodes, estátuas de terracota e várias esculturas cuidadosamente colocadas entre a vegetação, estima-se que foram usadas mais de 6 mil toneladas de mármore e granito para edificar esta obra monumental.


Foto: wikipedia_Reino Baptista


O Jardim do Oriente fica no meio dos vinhedos do Bombarral, em local discreto, nas imediações na Quinta dos Loridos. Ao longe, emergindo das copas das árvores, avistam-se pagodes chineses.

A escadaria central é o ponto focal do jardim, onde os buddhas dourados dão calmamente as boas-vindas.


Foto: www.trekearth.com_Aires dos Santos


Os 700 soldados de terracota são pintados à mão e cada um deles é único, encontrando-se alguns enterrados como há 2.200 anos atrás.


Foto: www.geocaching.com


O arquitecto José Cornélio diz que o jardim não será um santuário budista, mas sim “uma evocação do Oriente feita por ocidentais” e que representará também “a presença portuguesa no Oriente e a interpenetração de culturas”.


Foto: Wikipedia_Carlos Luis M C da Cruz


O “Jardim Buda Eden” é um espaço de meditação e onde se consegue encontrar a paz interior que tanto necessitamos. Vale sem sombra de dúvida uma visita.

Fontes e Fotos : Wikipedia; www.bacalhoa.com/; www.guiadacidade.pt; www.geocaching.com; www.trekearth.com; outros net



domingo, 25 de abril de 2010

Comemoração da Revolução de 25 de Abril - a Revolução dos Cravos

Hoje comemoram-se os 36 anos da Revolução de 25 de Abril, lembro-me bem desse dia, pouco depois de ter chegado à escola os professores vieram avisar todos os alunos que devíamos voltar imediatamente para casa, pois tinha havido uma revolução. Grande novidade e excitação, primeiro porque não íamos ter aulas, o que nos deixou muitíssimo satisfeitos e segundo porque mesmo sem compreendermos bem o significado do que tinha acontecido, percebemos que era algo muito importante.



Nesse dia 25 de Abril de 1974, Portugal terminava definitivamente com quase meio século de opressão e medo, decretava-se o fim da ditadura do Estado Novo. Um golpe de estado militar derrubou, num só dia, o regime político que vigorava em Portugal desde 1926. Os militares responsáveis por esta revolução, na sua maioria capitães, tinham-se unido no chamado "Movimento das Forças Armadas" (MFA), e na madrugada desse dia ocuparam os principais pontos estratégicos da capital. De tarde, o presidente do Conselho, Marcelo Caetano, rendia-se no Quartel do Carmo, cercado pelos carros de combate do capitão Salgueiro Maia.

Este golpe desencadeado pelos militares teve de tal maneira o apoio da população, que os comandantes da operação não puderam conter a euforia que invadiu as ruas de Lisboa. As pessoas tomavam as praças, ofereciam apoio e alimentos aos revoltosos, e festejavam a perspectiva de liberdade, empunhando cravos ao invés de armas. Era a "Revolução dos Cravos".




Foi uma Revolução especial onde os cravos foram o símbolo e a música o código para uma nova era, chegava finalmente a liberdade.

sábado, 24 de abril de 2010

Fotografias espectaculares


Duas Fotografias da Natureza que nos criam uma ilusão óptica espetacular.

Birmânia



Esta foto é de uma formação rochosa que existe em um lago da Birmânia. Só é possível tirar esta foto em um determinado período do ano, devido a iluminação solar. Ao apoiarmos a cabeça sobre o ombro esquerdo conseguimos ver por que razão esta é uma foto espectacular.


Ruínas de Machu Picchu
Não há nada de especial nesta imagem, mas sabemos que os Incas fizeram coisas muito além do que podemos imaginar.


O que encontramos se observarmos atentamente a fotografia, é um rosto formado pelos relevos das montanhas ao fundo das Ruínas de Machu Picchu. O mais interessante é observar os detalhes do rosto na natureza.....


“ A camara não faz diferença nenhuma. Todas elas gravam o que você está vendo. Mas você precisa VER!” (Ernst Haas)

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Rosa sem Espinhos - Almeida Garret



Para todos tens carinhos,
A ninguém mostras rigor!
Que rosa és tu sem espinhos?
Ai, que não te entendo, flor!

Se a borboleta vaidosa
A desdém te vai beijar,
O mais que lhe fazes, rosa,
É sorrir e é corar.

E quando a sonsa da abelha,
Tão modesta em seu zumbir,
Te diz: «Ó rosa vermelha,
Bem me podes acudir:

Deixa do cálix divino
Uma gota só libar...
Deixa, é néctar peregrino,
Mel que eu não sei fabricar ...»

Tu de lástima rendida,
De maldita compaixão,
Tu à súplica atrevida
Sabes tu dizer que não?

Tanta lástima e carinhos,
Tanto dó, nenhum rigor!
És rosa e não tens espinhos!
Ai !, que não te entendo, flor.

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'



quinta-feira, 22 de abril de 2010

Dia da TERRA


Devíamos amar, proteger e respeitar a TERRA todos os dias do ano mas, enquanto isso não acontece, vale a pena utilizar este dia, para chamar a atenção das pessoas e leva-las a reflectir sobre o efeito que as acções de cada um de nos tem, sobre o nosso PLANETA e principalmente, no que podemos fazer para O preservar.


Fantasy, Reflections, Animated Graphics, Animated Gif, Animated Gifs, Keefers Pictures, Images and Photos


O Dia Mundial da Terra foi criado em 1970 pelo então Senador norte-americano Gaylord Nelson, sendo comemorado no dia 22 de Abril.
Tem por finalidade levar as pessoas a reflectir sobre o que tem sido feito ao meio ambiente, alertar para os problemas da poluição, para a importância de haver uma racionalização dos recursos naturais e preservação da biodiversidade e frisar cada vez mais, sobre a responsabilidade de TODOS nós em relação a este problemas.




Mais do que comemorar, é preciso tomar consciência da importância da preservação do meio ambiente e é fundamental ensinar as nossas crianças, que serão os homens de amanhã, que esta preservação deve fazer parte das atitudes diárias de todos nos. Devemos ser conscientes e mudar os nossos hábitos, Reduzir, Reutilizar e Reciclar, deverá ser o nosso lema.


"A Terra é nossa casa e a casa de todos os seres vivos. A Terra mesma está viva. Somos partes de um universo em evolução. Somos membros de uma comunidade de vida independente com uma magnífica diversidade de formas de vida e culturas. Nos sentimos humildes ante a beleza da Terra e compartilhamos uma reverência pela vida e as fontes do nosso ser..."



O Dia da Terra é um momento de reflexão, de alerta, de consciencialização, de passar a mensagem da importância de cuidar do nosso planeta, afinal esta é a nossa casa.

terça-feira, 20 de abril de 2010

O Senhor é meu Pastor





Confiarei nessa voz que não se impõe,
mas que eu ouço bem cá dentro no silêncio a segredar.
Confiarei, ainda que mil outras vozes
corram muito mais velozes, para me fazer parar.

E avançarei, avançarei no meu caminho.
Agora eu sei que tu comigo vens também.
Aonde fores, aí estarei, em Ti avançarei:

O Senhor é meu pastor,
sei que nada temerei.
Ele guia o meu andar,
sem medo avançarei.

Confiarei na Tua mão que não me prende,
mas que aceita cada passo do caminho que eu fizer.
Confiarei, ainda que o dia escureça
não há mal que me aconteça, se conTigo eu estiver.

E avançarei, avançarei no meu caminho.
Agora eu sei que tu comigo vens também.
Aonde fores, aí estarei, em Ti avançarei:

Confiarei, por verdes prados me levas,
e em Teu olhar sossegas a pressa do meu olhar.
Confiarei, a frescura das Tuas fontes
deixa a minha vida cheia, minha taça a transbordar.

E avançarei, avançarei no meu caminho
Agora eu sei que tu comigo vens também.
Aonde fores, aí estarei, em Ti avançarei.


Cântico Religioso


Promessa de escuteiro do Pedro

O meu pedro fez a sua promessa de escuteiro e agora é um lobito.


Estava muito feliz e embora eu ainda não estivesse completamente recuperada, da cirurgia que tinha feito havia pouco tempo, senti-me tão bem, por vê-lo ali junto dos amigos numa celebração tão bonita.



Máximas dos Lobitos

Sou Lobito da jangal
Quero da melhor vontade,
Fazer bem, não fazer mal
E dizer toda a verdade.

O Lobito não é egoísta
E sabe ver e ouvir.
O Lobito é asseado,
Verdadeiro e sabe rir.

Seguir a pista da Lei
Com toda a nossa atenção
E fazer sempre melhor
Cada dia a boa acção.

Aquelá é nosso chefe
Balú nosso grande amigo.
O Lobito bem formado
De ninguém é inimigo.



"Os dois maiores presentes que podemos dar aos filhos são raízes e asas." (Hodding Carter)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Há mais marés que marinheiros - Poema de José



Na areia molhada
ficou marcado o meu pé
e veio a água salgada
apagou a minha pegada
na enchente da maré

Seis horas a encher
outras tantas a vazar
com paciência fiquei a ver
mas gostava de saber
onde a água ia parar

Comecei a vela mais distante
e a praia ficou molhada
e para além do horizonte
e mesmo naquele instante
eu não via mais nada

Fiquei com alguma mágoa
por não conseguir descobrir
e reparei numa vaga
que levava longe a água
que depois voltava a vir

E algum tempo fiquei à espera
sem saber bem os porquês
fiquei com a certeza que era
os movimentos da terra
que faziam as ondas e as marés

Duas vezes é praia-mar
e duas vezes maré vazia
de dia ou à luz do luar
em movimentos sem parar
as vinte e quatro horas do dia

As ondas batendo na areia
mais forte ou mais devagar
e batendo volta e meia
quando está a maré cheia
ou mesmo na baixa-mar

Descobertos por humanos
de espíritos aventureiros
há alguns milhares de anos
que em todos os Oceanos
“há mais marés que marinheiros”

Poema do meu amigo José

do blog "Reflexões e outras divagações".

É um cantinho maravilhoso onde ele consegue de forma sublime escrever em verso as realidades do dia-a-dia. Merece sem sombra de dúvidas uma visita.

"Poesia é quando uma emoção encontra seu pensamento e o pensamento encontra palavras." (Robert Frost)

Topo