quarta-feira, 25 de outubro de 2017

19 O Menino de sua Mãe - Poema de Fernando Pessoa





No plano abandonado
Que a morna brisa aquece,
De balas trespassado
— Duas, de lado a lado —,
Jaz morto e arrefece.

Raia-lhe a farda o sangue.
De braços estendidos,
Alvo, louro, exangue,
Fita com olhar langue
E cego os céus perdidos.

Tão jovem! que jovem era!
(Agora que idade tem?)
Filho único, a mãe lhe dera
Um nome e o mantivera:
«O menino da sua mãe».

Caiu-lhe da algibeira
A cigarreira breve.
Dera-lha a mãe. Está inteira
E boa a cigarreira.
Ele é que já não serve.

De outra algibeira, alada
Ponta a roçar o solo,
A brancura embainhada
De um lenço... Deu-lho a criada
Velha que o trouxe ao colo.

Lá longe, em casa, há a prece:
«Que volte cedo, e bem!»
(Malhas que o império tece!)
Jaz morto, e apodrece,
O menino da sua mãe.


Fernando Pessoa, in 'Antologia Poética'


 

19 comentários:

  1. Mais uma encantadora poesia. Parabéns!
    Boa noite!
    Vim agradecer sua amável visita ao blog da biblioteca na qual sou moderadora. É muito bom iniciar um trabalho na blogsfera e sentir que estamos agradando. Os elogios dos seguidores, o seu tem motivado a continuar. Obrigada de coração.
    Desculpe hoje está com uma visitinha rápida, depois de um longo dia de trabalho, faço isso com carinho para lhe agradecer e dizer, muito obrigada!
    Abraços da amiga Elza e da colega Lourdes que juntas tentamos acertar com as postagens.

    ResponderEliminar
  2. Um dos meus poemas favoritos.
    De uma beleza excepcional.

    ResponderEliminar
  3. Somente Portugl tem do brilhante Fernando Pessoa um baú cheio de poemas inesquesíveis lindos no seu posse .
    aaços

    ResponderEliminar
  4. Uau! Que bonito! Amei

    Beijos e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia querida amiga!
    A morte, separação que a meu entender é temporária, pode ser vista de duas maneiras...o afastar-se de alguém, na ótica de quem fica...e o chegar do ser querido no cais do porto dos que já se foram antes, e o esperam para abraçá-lo na Eternidade.
    Uma doce semana!
    Bíndi e Ghost

    ResponderEliminar
  6. Um poema bem reflexivo Maria Rodrigues!
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  7. Este poema já o declamei em público.
    É emotivo e muito belo.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  8. Maravilhosa e gratificante partilha querida amiga ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  9. A vida do menino da mãe, da infância bela à miserável morte,
    que as guerras impõem aos jovens.As descrição de objetos,
    que traduzem o carinho da mãe, da ama no preparo de uma vida
    leve e alegre. Mas a dor vem e cria a melancolia a decepção.
    Poema critico e doloroso da arte de Pessoa.
    Uma bela escolha Maria para uma reflexão sobre os destinos.
    Abraços com carinho.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. María maravillosa poesía bien acompañada con esos magníficos cuadros.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  11. Fernando Pessoa grande poeta! Retrata a vida miserável desse menino e sua mãe de forma bela, Parabéns pela partilha. Bela escolha amiga. Abraços com desejos de uma noite de paz.

    ResponderEliminar
  12. Um poema emotivo, um pouco triste, mas dito de um jeito tão poético que o torna especial.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Um poema belíssimo, que adorei reler por aqui... e com um suporte de imagem super bem escolhido, para o mesmo!
    Sempre em bom, por aqui, Maria!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  14. Uma das obras prima do Pessoa, pobre mãe, ter que suportar a dor das mazelas do mundo, triste realidade.
    Bom final semana querida maria!
    Bjs@

    ResponderEliminar
  15. Una forma de ver la vida
    y denunciar su esencia donde es necesario.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.