quarta-feira, 8 de novembro de 2017

No Turbilhão





(A Jaime Batalha Reis)

No meu sonho desfilam as visões,
Espectros dos meus próprios pensamentos,
Como um bando levado pelos ventos,
Arrebatado em vastos turbilhões...

N'uma espiral, de estranhas contorsões,
E d'onde saem gritos e lamentos,
Vejo-os passar, em grupos nevoentos,
Distingo-lhes, a espaços, as feições...

— Fantasmas de mim mesmo e da minha alma,
Que me fitais com formidável calma,
Levados na onda turva do escarcéu,

Quem sois vós, meus irmãos e meus algozes?
Quem sois, visões misérrimas e atrozes?
Ai de mim! ai de mim! e quem sou eu?!...


Antero de Quental





10 comentários:

  1. Minha própria alma. É difícil descobrir.

    O bom senso funciona.
    Obrigado por sua visita sempre.

    Desejo a todos o melhor.
    Cumprimento

    Do Japão, ruma ❃

    ResponderEliminar
  2. Bom dia
    Adoro os poema de "Antero de Quental" Boa escolha. Obrigada

    No nosso blogue, por lapso meu, saíram dois temas, caso pretenda ler os dois. Pedimos desculpas.

    Bjos
    Boa Quarta-feira

    ResponderEliminar
  3. Como sempre aprecio o seu bom gosto nas escolhas que faz... Amei o poema.


    Beijinhos e um dia feliz.

    ResponderEliminar
  4. é muito lindo o poema !!
    grande abraço.
    :o)

    ResponderEliminar
  5. Olá minha querida amiga espero que este tudo bem por aí, a vida nos ensina a dar passos que nos conduzem a horizonte longínquos e cada dia é sempre mais um degrau, agradeço a sua vista pois por aqui sem ver conseguimos saber a dimensão da verdadeira amizade.
    Beijinhos de luz e muita paz

    ResponderEliminar
  6. Boa noite!
    Como de costume, estou aqui com o convite no 9º Poetizando e Encantando.
    A imagem para a temática, está muito deliciosa! Com certeza seu poetar vai ser maravilhoso!
    Uma dica! Na imagem tem algo que no PORTO se fabrica e é delicioso!
    O que será!!!
    Amanhã logo cedo postarei.

    Tenha uma noite de paz e que todas as manhãs
    você desperte com vontade de viver... E que nunca,
    de maneira alguma lhe falte FÉ para recomeçar
    um novo dia.
    Abraços, seja feliz!

    ResponderEliminar
  7. Mais um excelente poema de Antero, que adorei apreciar e descobrir por aqui!
    Confesso, que não conheço a fundo, a sua obra...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo