quarta-feira, 1 de novembro de 2017

No Ciclo Eterno





No ciclo eterno das mudáveis coisas
Novo inverno após novo outono volve
À diferente terra
Com a mesma maneira.
Porém a mim nem me acha diferente
Nem diferente deixa-me, fechado
Na clausura maligna
Da índole indecisa.
Presa da pálida fatalidade
De não mudar-me, me infiel renovo
Aos propósitos mudos
Morituros e infindos.

Ricardo Reis



15 comentários:

  1. Um Inverno que tarda em dar sinais, não é?
    Quando assim é receio que depois venha em força.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, querida :)

    E com isto descobrimos que a vida passa muito rápido :)

    NEW OUTFIT POST | PORTUGAL FASHION LOOK! THE MOST IRREVERENT :D
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  3. Oi Maria,
    Um ciclo eterno de mu tavéis coisas.
    Uma bela reflexão.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso ,desejo-lhe continuação de um bom feriado querida amiga ,beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  5. Partilha preciosa!!!
    A profundidade única do Ricardo Reis (mestre Fernando Pessoa)
    a nos envolver neste caminhar profundo da alma aberta
    em questionamentos do eu...
    A imagem escolhida linda!!
    Dias felizes e na paz, querida Maria!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. O ciclo natural da vida pede renovação...
    Bonito poema!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Maria,
    Um poema muito profundo de Ricardo Reis.
    Gostei imenso!
    Desejo-lhe continuação de bom feriado.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  8. Na inversão imposta pela distância a aproximação que da primavera saúda com o verão, vindo a mim, ao inverno que vem vindo para você.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  9. Que o próximo inverno de todo diferente,
    não seja, do inverno,dos anos anteriores
    que é para na próxima primavera a gente
    ver floridas na paisagem lindas flores!

    Tenha uma boa noite amiga Maria, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  10. Olá, cheguei aqui através de um blogue amigo em comum. Gostei, vou ficar e vou levar-te comigo...

    Bjos e uma excelente noite

    http://brincandocomaspalavrass.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. O transitar do tempo transmudando de uma estação à outra
    Um poema fascinante
    Beijos e dias de paz

    ResponderEliminar
  12. Fantástico esse poema, beijos carinhosos!

    ResponderEliminar
  13. Pessoa... no seu melhor...
    Este poema não conhecia... um poema denso e profundo, como são todas as obras deste autor maior...
    Adorei! Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo