quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Fio - Poema de Cecília Meireles




No fio da respiração,
rola a minha vida monótona,
rola o peso do meu coração.

Tu não vês o jogo perdendo-se
como as palavras de uma canção.

Passas longe, entre nuvens rápidas,
com tantas estrelas na mão...

 Para que serve o fio trémulo
em que rola o meu coração?



Cecília Meireles


12 comentários:

  1. Cecília Meireles é sempre uma leitura muito agradável.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Boa noite Maria Rodrigues. Passei aqui e fiquei maravilhada com seu blog. Parabéns. Escolher poemas de Cecília Meireles é para admiradores de grande sensibilidade. Um abraço. Venha conhecer o meu. Será um prazer em recebê-la

    ResponderEliminar
  3. ...esse frio trêmulo é a chama da vida...
    Tocante mensagem deixa Cecília Meireles.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Querida Maria
    Esse «fio» é que nos sustenta a vida.
    Muito obrigada pelo belo poema escolhido.Gosto muito desta autora.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
  5. Foi uma bela escolha.Amei


    Beijinhos e um dia feliz.

    ResponderEliminar
  6. Os poemas de Cecília Meirelles sempre nos encantam.
    Bjs Maria Rodrigues.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  7. Não me lembrava deste poema e é bem interessante!
    ...
    Termino aqui o nosso passeio pelo LUSO:
    https://crocheteandomomentos.blogspot.pt/2018/01/villa-missi-no-luso.html

    Ovo estrelado só há um mas … experimentar esta sugestão pode ser bem agradável:
    https://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/2018/01/ovo-estrelado-no-forno.html

    Bj e ... sinta-se bem FELIZ!!!

    ResponderEliminar
  8. Aprecio a tua sensibilidade para apreciar poesia, porque de facto trazes que excelentes poemas, de excelentes poetas, onde há que incluir Cecilia Meireles.
    Beijos

    ResponderEliminar
  9. quantos fios trémulos nós temos por vezes parecemos marionetas
    bjs

    ResponderEliminar
  10. Magnifico poema querida amiga ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  11. Cada palavra uma emoção... assim é a escrita de Cecília!...
    Adorei o poema! Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.