quinta-feira, 15 de julho de 2010

O cisne - Poema Rainer Maria Rilke

 
 
 


Este sacrifício de avançar
pelos feixes do irrealizado
lembra um cisne, altivo a caminhar.

E a morte – esse nada mais buscar
do chão diariamente repisado –
lembra a sua angustia de pousar

sobre as águas que o recebem mansas
e cedem sob ele, em suaves tranças
de marolas que cercá-lo vem;
enquanto ele, calmo e independente,
segue sempre majestosamente
como ao seu capricho lhe convém. 



Rainer Maria Rilke 





3 comentários:

  1. Querida amiga, os cisnes são tão lindos que com certeza devem ser aves do paraiso. O poema maravilhoso...Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Minha querida
    Um belo poema, adoro a poesia de Rilke...muito profunda.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente a felicidade constante e infinita não existe, mas devemos agradecer pelos momentos felizes!
    Entretanto o seu Blog é uma felicidade constante. É muito bom viver estes momentos!
    Grande Beijo!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo