sexta-feira, 18 de março de 2016

Paraíso - Poema de David Mourão-Ferreira




Deixa ficar comigo a madrugada,
para que a luz do Sol não me constranja.
Numa taça de sombra estilhaçada,
deita o sumo de lua e de laranja.

Arranja uma pianola, um disco, um posto,
onde eu ouça o estertor de uma gaivota…
Crepite, em derredor, o mar de Agosto…
E o outro cheiro, o teu, à minha volta!

Depois, podes partir. Só te aconselho
que acendas, para tudo ser perfeito,
à cabeceira a luz do teu joelho,
entre os lençois o lume do teu peito…

Podes partir. De nada mais preciso
para a minha ilusão do Paraíso.


David Mourão-Ferreira


 

7 comentários:

  1. Gostei. Boa escolha.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Magníficas imagens, bonito poema! Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Precioso poema. Un abrazo feliz fin de semana.

    ResponderEliminar
  4. Bom dia, Maria!
    Mais um poema lindo e rico em sentimentos.
    Que seu final de semana seja maravilhoso.
    Abração esmagador.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns ao autor David Mourão-Ferreira por tão lindo poema.
    Bjs Maria Rodrigues e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  6. Bonito, não conhecia!

    Bom fim de semana Maria e um grande beijinho.

    ResponderEliminar
  7. Um poema maravilhoso, que desconhecia!...
    Mais uma partilha formidável, por aqui!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo