terça-feira, 15 de março de 2011

Preservar a vida Animal - Leopardo


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!


Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

A extinção é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre.

Hoje: Leopardo


Nome Científico: Panthera pardus
Ordem: CARNIVORA
Família: Felidae


Distribuição e Habitat :
Habita fundamentalmente em florestas tropicais e húmidas em África e na Ásia, com especial incidência na Índia. No entanto, também pode ser encontrado em zonas desses continentes com outros tipos de vegetação. A sua grande capacidade de adaptação permite-lhe ainda viver em territórios tão inóspitos como as montanhas do Afeganistão, as terras semi-desérticas do Médio Oriente, ou na savana africana.


Identificação:
A pelagem é longa e amarela com rosetas negras. O corpo é esguio e musculado, com cauda comprida. Pode medir cerca de 1,50 m, ter 80 cm de altura e pesar até 90 kg. As suas garras são longas, muito afiadas e constituem, juntamente com os dentes, perigosas armas de ataque e defesa. Dá saltos de grande distância de forma a atacar as suas vítimas de surpresa. É ágil, dorminhoco, brincalhão e extremamente cuidadoso com o seu pêlo.


O Leopardo-da-pérsia (Panthera pardus saxicolor) ou leopardo-iraniano é uma das subespécies de leopardo, são nativos da Ásia ocidental e são a maior subespécie de todas.


De todos os grandes felinos, o leopardo-de-amur (Panthera pardus orientalis) é uma subespécie de leopardo e é o mais raro estando criticamente ameaçado de extinção. Habita os montes Sikhote-Alin. É também conhecido como leopardo-siberiano e leopardo-do-extremo-oriente.


Hábitos:
É uma espécie crepuscular e nocturna, territorial e solitária. De dia, gostam de passar longas horas a dormir e a lavar a sua bela pelagem, refastelados nos troncos das árvores ou entre rochas. Embora boa nadadora, não gosta tanto da água como os tigres.


É capaz de transportar as suas presas, inclusive as de maiores dimensões, enquanto trepa pelas árvores evitando que sejam roubadas por outros felinos. Caça por aproximação e por emboscada, no solo ou nas árvores.


Alimentação:
Como vive em ambientes muito diversos, a alimentação do leopardo é também muito variada. Mas, em geral, as suas presas são animais de tamanho médio como antílopes, cervos, macacos e cães. Babuínos, aves e outros pequenos animais também fazem parte da sua alimentação. Os leopardos, apesar de serem animais muito ágeis, evitam fazer longas corridas atrás das suas presas, preferindo fazer emboscadas onde sabem que, provavelmente, vão ser bem sucedidos.


Reprodução:
A época de acasalamento varia com a localização geográfica, quando chega, os machos e as fêmeas fazem longas caminhadas, até encontrarem um parceiro disponível, podendo ocorrer lutas entre machos para o acesso reprodutivo às fêmeas.




Logo que é consumado o acto, afastam-se um do outro, ficando a fêmea com o ónus de alimentar as crias, até que estas estejam em condições de caçar e sobreviver sozinhas.


A gestação de uma fêmea de leopardo é de 90 a 105 dias, e as ninhadas são constituídas, em média, por duas a quatro crias. A cria tem o pêlo claro, quase bege e branco e são amamentadas durante três meses, atingindo a maturidade sexual com cerca de três anos de idade.


 
Estatuto de conservação e principais ameaças:
Todos os leopardos estão catalogados como espécies em perigo de extinção. Quatro espécies: o leopardo-do Sul da Arábia, o leopardo Amur, o leopardo do Norte da África e o Leopardo Anatolian estão em risco de extinção.


As suas principais ameaças são a destruição do habitat, a grande diminuição de recursos alimentares e a caça, tanto para o comércio ilegal de pele e ossos como para defesa do gado doméstico.

Fontes: Wikipedia; Portlasaofrancisco; zoo de Lisboa; treknature; Enciclopédia a Vida Animal; outros


“A Terra provê o suficiente para as necessidades de todos os homens, mas não para a voracidade de todos.” (Mahatma Gandi) .

11 comentários:

  1. Uma bela aula de zoologia e de alerta para a preservação das espécies.
    Beijos
    Lourdes

    ResponderEliminar
  2. Maria
    Espectacular teu post. Beleza estas imagens. Já fiz este comentário não sei onde, mas não me canço de o repetir, o Universo é o mesmo nós homens é que mudamos.
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde, Maria!
    Você, como sempre,nos presenteando com belas imagens e informações.
    Obrigada.
    Deixo pra ti um provérbio africano.

    "A chuva bate a pele de um leopardo, mas não tira suas mancha".

    Beijo,
    Mara

    ResponderEliminar
  4. Cada vez é mais importante passar esta mensagem.
    Só hoje pude vir buscar o selinho, obrigada Maria é lindo e fico feliz.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Um bom apelo a preservar este belíssimo animal.Uma bela viagem que nos proporcionas por este reino.Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. Minha querida

    Hoje passando para oferecer o meu selinho de 500 seguidores...feito do vosso carinho e amizade.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  7. Amada,eu voltei com um blog novo.
    O antigo foi denunciado.
    Saudades viu!!!
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Informação, reflexão e poesia nas lindas imagens que comumente vc posta. Obrigada querida Maria pelos ensinamentos. Quem dera muitas pessoas lessem, e sentissem despertadas as consciências...Bjs.

    ResponderEliminar
  9. Preciso dizer que amei esta postagem????
    Beijos!

    ResponderEliminar
  10. Olá,Maria

    Nunca é demais a chamada de atenção para a extinção a que certos animais estão sujeitos, muitas vezes por desporto e também por ganância.
    Além disso é preocupante a invasão e destruição do seu habitat obrigando-os a deambular por espaços urbanos cheios de perigos para eles próprios e, consequentemente, para as pessoas.
    Obrigada.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo