sexta-feira, 4 de março de 2016

Os Rios - Poema de Olavo Bilac





Magoados, ao crepúsculo dormente,
Ora em rebojos galopantes, ora
Em desmaios de pena e de demora,
Rios, chorais amarguradamente,

Desejais regressar... Mas, leito em fora,
Correis... E misturais pela corrente
Um desejo e uma angústia, entre a nascente
De onde vindes, e a foz que vos devora.

Sofreis da pressa, e, a um tempo, da lembrança.
Pois no vosso clamor, que a sombra invade,
No vosso pranto, que no mar se lança,

Rios tristes! agita-se a ansiedade
De todos os que vivem de esperança,
De todos os que morrem de saudade...


Olavo Bilac

11 comentários:

  1. Bom dia, queria Maria!
    Viver de esperança é muito saudável!
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo, Maria!
    Obrigada pelos parabéns no niver do Vida & Plenitude. Gostei muito!!
    Bjs e feliz fim de semana...

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de Olavo Bilac.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Olavo Bilac esteve presente em minha vida estudantil. Uma riqueza de poema. Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Olá, Maria.
    Trazes-me Bilac, o poeta apaixonado. Lindo.
    Daqui já não vou só ;)

    deixo um bj amg

    ResponderEliminar
  6. É sempre um prazer passar por essas belas postagens que partilha conosco, amiga!
    Boa noite e grata pela visita!!!

    ResponderEliminar
  7. Maravilhoso. Boa escolha
    Beijos, Bom fim de semana
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Fantástico! Olavo Bolachas retrata bem meus sentimentos hoje.Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Deliciosamente triste... mas de uma beleza impar, este poema!
    Lindíssimo!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.