sexta-feira, 26 de junho de 2015

Papagaio de papel




Deixem-no lá, deixem-no lá, o papagaio!
Deixem-no lá, bem preso à terra,
vibrando!

Aos arranques,
a fazer tremer a terra,
a querer voar
pelo ar
até pertinho do Céu…

Deixem-no lá, deixem-no lá, o papagaio!
Deixem-no lá viver a sua inquietação
e ser verdade aquela ânsia
de fugir.
Não lhe cortem o cordel!
Poupem o papagaio à dor enorme
de cair,
papel inútil, roto, pelo chão.

Não lhe ensinem,
ao pobre papagaio de papel,
que a sua inquietação
é a única força que ele tem.

Deixem-no lá,
naquela ânsia de fuga,
no sonho (a que uma navalha
pode dar o triste fim)
de fazer ninho no Céu:
Sempre anda longe da terra, assim,
o comprimento do cordel…

Deixem-no lá, deixem-no lá,
o papagaio de papel!...

Sebastião Gama



7 comentários:

  1. Adorei!
    Me fez lembrar da minha infância, quando junto com vovô fazíamos o meu "papa vento", era assim que chamava por aqui.
    Lindo seu poetar, um abraço cara amiga, Maria e lindo final de semana.

    ResponderEliminar
  2. Lindo poema!
    Agora é tempo deles, pelas praias...Gostei!

    Beijos, bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Olá, querida Maria
    Deixe o sonho voar longe!
    Bjm fraterno

    ResponderEliminar
  4. Impedir, aqui não venho,
    o voou desse papagaio
    porque sei e consciência tenho
    que bem seguro nunca caio!

    É lindo estou vendo,
    ao contrário não digo
    com pouco me contento
    nas verdades acredito!

    Tenha amiga Maria,
    uma boa sexta-feira
    muita saúde e alegria
    com felicidade perfeita,

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. ...deixe sonhar, deixe voar...

    Maria, na minha região o papagaio é chamado de pandorga e em outras regiões pipa... sempre trazendo muito encantamento...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Poema interessante sobre os papagaios, ( pipas aqui no Rio de Janeiro), mas fico temerosa quando vejo uma criança soltando pipa, por causa dos fios elétricos que já causou a morte de crianças, as autoridades deixam ao encargo das mães tomarem conta, mas nem sempre se importam !!
    Mas o poema é lindinho.
    beijinhos,
    Léah

    ResponderEliminar
  7. O poema é lindo, e bem alusivo a esta estação do ano, as crianças gostam.
    A postagem é lindíssima..
    Um beijo.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.