sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Mar Sonoro





Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho.
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim.



Sophia de Mello Breyner Andresen

11 comentários:

  1. Sempre encantamentos com o mar...Ele é lindo como a poesia! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Que palavras lindíssimas, não conhecia.

    ResponderEliminar
  3. Uma publicação com um poema adorável...

    Do nosso amigo Gil António, com- "Amantes" num Universo de apetência.

    Bjos
    Votos de uma óptima Sexta - Feira

    ResponderEliminar
  4. Oi Maria,
    Muito belo!
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  5. Mar e poesia - dois encantos!
    Sophia de Mello Breyner Andresen - sempre!
    Valeu, Maria!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Belo poema e imagem, Maria! Por que a sensualidade aflora tanto quando se vê uma jovem com traje não propício ao banho dentro d'água? Esta imagem é mais que sensual, é onírica - nos transpõe a um sonho nunca tido! Parabéns! Abraço amigo! Laerte.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo