sábado, 14 de abril de 2018

Prece - Poema de Fernando Pessoa




Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade.

Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda.

Dá o sopro, a aragem — ou desgraça ou ânsia —,
Com que a chama do esforço se remoça,
E outra vez conquistemos a Distância —
Do mar ou outra, mas que seja nossa! 


Fernando Pessoa ( arquivopessoa.net)


3 comentários:

  1. Preciosa partilha, o mestre da
    poesia, sou fã sempre.
    Um final de semana luminoso
    para você e os seus, querida Maria!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Hello Maria!
    A beautiful poem.
    Happy weekend :)

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo