sábado, 21 de abril de 2018

Confissão - Poema de Carlos Drumond de Andrade




É certo que me repito,
é certo que me refuto
e que, decidido, hesito
no entra-e-sai de um minuto.

É certo que irresoluto
entre o velho e o novo rito,
atiro à cesta o absoluto
como inútil papelito.

É tão certo que me aperto
numa tenaz de mosquito
como é trinta vezes certo
que me oculto no meu grito.

Certo, certo, certo, certo
que mais sinto que reflito
as fábulas do deserto
do raciocínio infinito.

É tudo certo e prescrito
em nebuloso estatuto.
O homem, chamar-lhe mito
não passa de anacoluto.

 
Carlos Drummond de Andrade



13 comentários:

  1. Hello dear Maria!
    Such a lovely poem and beautiful lyrics too!
    Like the image! Wishing you a lovely weekend!
    Dimi...

    ResponderEliminar
  2. Bom dia. Boa escolha. Lindo demais :))
    Obrigada

    Hoje:- O teu convite surreal.

    Bjos
    Votos de um bom Sábado

    ResponderEliminar
  3. Mooie kleurrijke blog Maria, De spot van gisteren is bijzonder mooi.
    Groet kees.

    ResponderEliminar
  4. Hola María, es una preciosidad de poema, felicidades al autor y gracias a ti por compartirlo.
    Un besito y buen fin de semana.

    ResponderEliminar
  5. Que linda partilha deste maravilhoso poeta!
    Beijinho
    Joana

    ResponderEliminar
  6. Amei a escolha do belo poema!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  7. A gorgeous photo and lovely poem. Gracias!

    ResponderEliminar
  8. Another great poem, Maria.
    Have a nice weekend.
    Lucja

    ResponderEliminar
  9. Lindíssima partilha querida amiga desejo-lhe um abençoado domingo ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  10. Bello poema con un buen acompañamiento ilustrativo.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  11. Que maravilha Maria, você escolher esta poesia máxima do Drummond.
    Somos conterrâneos Maria e o museu feito com a fazenda da família dele, fica perto da casa de minha família em Minas Gerais-Itabira.
    Valeu a releitura amiga.
    Bejo

    ResponderEliminar
  12. Adorei descobrir um pouco mais, da incrível obra deste grande autor...
    Magnifica partilha, Maria!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.