terça-feira, 17 de abril de 2018

Canção - Poema de Cecilia Meirelles




Assim moro em meu sonho:
como um peixe no mar.
o que sou é o que vejo.
vejo e sou meu olhar.


Água é o meu próprio corpo,
simplesmente mais denso.
E meu corpo é minha alma,
e o que sinto é o que penso.

Assim vou no meu sonho.
Se outra fui, se perdeu.
É o mundo que me envolve?
Ou sou contorno seu?

Não é noite nem dia,
não é morte nem vida:
é viagem noutro mapa,
sem volta nem partida.

Ó céu da liberdade,
por onde o coração
já nem sofre, sabendo
que bateu sempre em vão.


Cecília Meirelles ( Este poema pertence ao livro Canções - 1956)


5 comentários:

  1. I love poetry and this poem and this gorgeous photo!

    ResponderEliminar
  2. If you ever get the chance, check out my book, "Perched on the Edge." I think I mentioned this before, but you can get a sense of the kind of poetry I write if you click on the thumbnail in the righthand sidebar.

    ResponderEliminar
  3. Mais uma pérola poética de Cecília, que é sempre um verdadeiro prazer apreciar!...
    Adorei! Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.