quarta-feira, 11 de abril de 2018

11 De onde é quase o Horizonte - Poema de Fernando Pessoa




De onde é quase o horizonte
Sobe uma névoa ligeira
E afaga o pequeno monte
Que pára na dianteira.


E com braços de farrapo
Quase invisíveis e frios
Faz cair seu ser de trapo
Sobre os contornos macios.


Um pouco de alto medito
A névoa só com a ver.
A vida? Não acredito.
A crença? Não sei viver.


Fernando Pessoa



11 comentários:

  1. A imagem é muita creativa
    e o báu de poemas de Pessoa é inesgotável
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso como são todos os poemas de Fernando Pessoa.
    .
    * Amor sonhado nas ondas do entardecer *
    .
    Um dia feliz-

    ResponderEliminar
  3. Beleza de poesia! Linda escolha! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Bonita escolha!! Amei!


    Beijos e um dia excelente.

    ResponderEliminar
  5. Simplesmente maravilhoso!
    Bjs Maria Rodrigues.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde Maria,
    Um poema lindo de Pessoa. Não conhecia e gostei muito.
    Um beijinho e boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  7. Linda escolha ,gostei muito, beijinhos querida amiga felicidades

    ResponderEliminar
  8. Pessoa sempre encanta.
    Linda partilha Maria.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderEliminar
  9. Oi Maria, esse poema é muito lindo.
    Bom final de semana.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.