domingo, 9 de julho de 2017

E por que nós?




Dentro de todos nós
há uma casa vazia
escura ou clara
translúcida de vida e morte
cheirando memórias de tempo.

Dentro de todos nós
há uma casa vazia . . .

de pranto e de paz e de luz
de risos e de tardes plenas de azul.

Dentro de todos nós
há uma casa vazia . . .

quando os braços da noite
dizem das coisas vividas e
falam com olhos de menino travesso
como se caracóis e caretas de palhaço
enfeitassem nossos desenganos.

Dentre de todos nós
há sempre uma casa vazia . . .


Alvina Nunes Tzovenos, in “Palavras ao Tempo”


8 comentários:

  1. Boa noite querida Maria.
    Que poema tão lindo e tão triste. Um domingo cheio de alegrias minha amiga. Forte abraço.

    ResponderEliminar
  2. Maria
    O poema é lindo. Desconhecia a poetisa, mas a interação dos blogges tem também a virtualidade de despertar curiosidades, foi o que aconteceu comigo: procurei saber mais e consegui.
    Tenho já dois livros em edição, ambos a serem distribuídos também no Brasil, o mais importante e ser por proposta da editora, a Chiado.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Bom dia querida amiga ,um momento triste mas belíssimo ,desejo-lhe um abençoado domingo ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  4. Vamos lutar para que a casa esteja cheia de paz amor e alegria.

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema com uma mensagem doída neste vazio que todos nós conhecemos.
    Bela partilha Maria.
    Gostei amiga.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.