quinta-feira, 8 de outubro de 2015

A Festa do Silêncio - Poema de António Ramos Rosa





Escuto na palavra a festa do silêncio.
Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se.
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas.
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas.
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma.

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia,
o ar prolonga. A brancura é o caminho.
Surpresa e não surpresa: a simples respiração.
Relações, variações, nada mais. Nada se cria.
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça.

Nada é inacessível no silêncio ou no poema.
É aqui a abóbada transparente, o vento principia.
No centro do dia há uma fonte de água clara.
Se digo árvore a árvore em mim respira.
Vivo na delícia nua da inocência aberta.


António Ramos Rosa, em "Volante Verde"



6 comentários:

  1. Bom dia Maria Rodrigues
    Que poema tão bonito! Parabéns por nos oferecer esta pérola, a ler. Amei

    Beijo uma óptima quinta feira
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Silêncio que muito bem me fez ao ler! Não conhecia.

    Obrigado Maria pela partilha.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Desconhecia este belo poema de António Ramos Rosa, obrigada amiga pela partilha.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. Querida Maria:
    Lindo poema, ótima escolha.
    beijinhos,
    Léah

    ResponderEliminar
  5. Poema lindíssimo... que desconhecia!
    Grata por esta partilha maravilhosa!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo