terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Não basta abrir a janela




Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.

É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.

Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.


Fernando Pessoa


7 comentários:

  1. Bom dia Maria
    Poema lindo de mais. Amei

    Beijo e um dia feliz

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Um belo poema de Fernando Pessoa.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  3. Não basta abrir a janela... é preciso abrir a alma... para realmente vermos as coisas!
    Magnifica publicação!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  4. Olá Maria!!!
    É o tipo de leitura que nos faz pensar!
    Beijos!!! =)
    www.deliciasdavodeo.com.br

    ResponderEliminar
  5. Maria, vim agradecer teu carinho e dizer das saudades desa blogosfera. Mas, por enquanto e creio ainda uns meses, tenho que focar na cura do Kiko! Temos muito pela frente! bjs, chica e tuuuuuuuuudo de bom!

    ResponderEliminar
  6. Fernando Pessoa magnifico nos seus poemas ,beijinhos muitas felicidades

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.