domingo, 27 de dezembro de 2015

A Teia da Esperança - Poema de Isabel Gouveia





A teia tecida
nas noites de esperança,
rasgada e ferida,
segue a nossa andança.

E juntos, mãos dadas,
olhamos pra ela,
vontades paradas,
quais barcos sem vela.

Amigo, que o braço
cansado de tédio
ergamos no espaço!
É esse o remédio.

Depois de cerzidas,
não ficam marcadas
profundas feridas
em teias rasgadas!


Isabel Gouveia


7 comentários:

  1. Não conhecia. obrigada pela partilha.
    Um abraço e dias felizes

    ResponderEliminar
  2. Um belo poemae aproveito para enviar, um abraço e continuação de BOAS FESTAS.

    ResponderEliminar
  3. Sempre lindos, os poemas que escolhe. Amei.

    Beijo e continuação de boas festas.
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso, esse poema,
    ao contrário, tecida teia
    escrito, bem valeu a pena
    parabéns, Isabel Gouveia!

    Boa noite amiga Maria, bons sonhos,
    continuação de boas festas, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Mais uma belíssima escolha poética, que desconhecia... combinada como sempre, com uma encantadora imagem...
    Belíssimo! Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Um belo poema.
    Que este novo ano a enche de felicidade!
    Bjs

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo