quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Noturno





Devagar, devagar... A noite dorme
e é preciso acordar sem sobressalto.
Sob um manto de sombra, denso, informe,
o mar adormeceu a sonhar alto.

Devagar, devagar... O rio dorme
sobre um leito de areias e basalto...
Malhada pela neve a serra enorme
parece um tigre a preparar o salto.

E dorme o vale em flor. Dormem as casas.
Nenhum rumor. Nenhum frémito de asas.
Nada perturba a noite bela e calma.

E dormem os rosais, dormem os cravos...
Dormem abelhas sobre o mel dos favos
e dorme, na minha alma, a tua alma.


Fernanda de Castro


7 comentários:

  1. Oi Maria
    Que lindo poema e bela imagem
    Beijos no coração
    Minicontista2

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo este poema de uma poetisa que conheço muito pouco.
    Obrigado pela partilha
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Bom dia
    Sempre maravilhosas escolhas! Adorei.

    Beijo e um dia feliz.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Um excelente soneto, muito lírico.
    Conheço pouco da obra da Fernanda de Castro, mas gostei imenso da sua escolha.
    Maria, continuação de boa semana.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Mais um poema maravilhoso... e sempre acompanhado de uma imagem, bem à altura, do mesmo...
    Lindíssima conjugação...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo