domingo, 6 de dezembro de 2015

A uma Rosa - Poema de Frei Jerónimo Baía






Como tens tão pouca vida?
Quem tão depressa te mata?
Flor do mais ilustre sangue,
Que deu de Vénus a planta?
Uma Aurora só que vives,
Flores te chamam Monarca:
Na mesma terra do império,
Que foi berço, tens a campa.
Lástima da tarde chamam
A ti doce mimo da alva,
Gentil pérola nascida
Entre concha de esmeralda.
Águia nos voos florentes
Estendes ao Sol as asas,
Mas quando os raios lhe logras,
Fénix em raios te abraças.

Em quanto em verde clausura
Te fecha o botão as galas,
Para os logros, que desejas,
Te dão vida as esperanças.
Mas quando a púrpura bela
Te serve já de mortalha,
Sentido o Sol chora raios,
Buscando a morte nas águas.
De formosura tão rica
Não sei quem foi o pirata
Tão atrevido, que rouba
A joia da madrugada.


Frei Jerónimo Baía, in 'Antologia Poética'




9 comentários:

  1. Não conhecia. Obrigado pela partilha.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Ui...Que maravilha de poema
    Parabéns pela escolha!

    Tenha um dia feliz
    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Um poema de Frei Jerónimo Baía a uma rosa... Flor ou pessoa?
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Um lindo poema cheio de ternura nas palavras, Maria tenha uma ótima semana beijos.

    ResponderEliminar
  5. Frei Jerónimo Baía, uma referência da literatura barroca (Sec.XVII). Poeta lírico mas também burlesco o que lhe valeu o epíteto de "Poeta Folgazão".

    Neste poema, em todo ele, aparece o seu pendor lírico:
    "A ti doce mimo da alva,
    Gentil pérola nascida
    Entre concha de esmeralda".

    Bj
    Olinda

    ResponderEliminar
  6. Oi querida Maria bela escolha belo poema, amei.
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
  7. Um poema lindíssimo! E que eu não conhecia!...
    Como sempre... uma excelente opção... e uma partilha fabulosa!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Bom dia, Maria!
    As rosas e a lua... sempre inspirando poesia...
    Abraços.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo