quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Poema para o Deus Sol




Um dia, olhei para o Céu,,
vi nele um espesso véu,
uma trovoada iminente:
Raios, coriscos, centelhas
Abrem crateras, vermelhas,
em corrupio permanente.

Um raio de sol espreita
por uma abertura estreita.
Entre nuvens carregadas,
pequenas gotas de chuva,
quais lágrimas de viúva,
são por ele violadas.

Passados breves instantes,
do acto entre os dois amantes,
um fenómeno acontece:
Um arco-iris, infinito,
torna o céu mais bonito,
O sol brilha, a terra aquece.

Belo arco-iris, colorido,
por nuvem negra parido,
que um raio de sol fecundou,
gera festival de cores,
filho de estranhos amores
que a tempestade juntou.

O Sol fonte de energia,
tudo mata, tudo cria,
seja em que lugar for,
É Deus da fertilidade,
luz divina, claridade,
com a terra faz amor.

Fernanda

Visite o seu blog é lindo: FERNANDA&POEMAS




"Seja humilde, pois, até o sol com toda sua grandeza se põe e deixa a lua brilhar." (Bob Marley)

3 comentários:

  1. Liiiiiiiiiinda escolha como sempre.
    beijão
    Léah

    ResponderEliminar
  2. oi amiga que lindo poema!parabens,bjus tere.

    ResponderEliminar
  3. Oi,Maria
    Hoje já li dois post sobre o sol... como preciso dele para sobreviver... fico cheia de energia...
    Passear no calçadão pela manhã à sua luz me integra.
    Paz interior e abraço fraterno pra vc.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo