terça-feira, 24 de maio de 2016

Casa do Tempo Perdido - Poema de Carlos Drummond de Andrade




Bati no portão do tempo perdido,
ninguém atendeu.
Bati segunda vez e mais outra e mais outra.
Resposta nenhuma .

A casa do tempo perdido está coberta de hera
pela metade; a outra metade são cinzas.
Casa onde não mora ninguém,
e eu batendo e chamando pela dor de chamar
e não ser escutado.

Simplesmente bater.
O eco devolve minha ânsia de entreabrir
esses passos gelados.
A noite e o dia se confundem no esperar,
no bater e bater .

O tempo perdido certamente não existe.
É o casarão vazio e condenado.



Carlos Drummond de Andrade


4 comentários:

  1. É sempre um privilégio ler Drummond de Andrade, poeta de que gosto muito.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Adorei o poema.Muito lindo!!! bjs, chica e ótimo dia!

    ResponderEliminar
  3. Lindo poema de Carlos Drummond, amo suas poesias.
    Ele diz a verdade, quantas e quantas vezes batemos em portas que não existe mais ningué, está vazia e dolorida...
    Grande beijo amiga Maria no coração.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso poema ,beijinhos querida amiga

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.