sábado, 16 de abril de 2016

Soneto do silêncio - Poema de Alphonsus de Guimaraens Filho




Fantástico silêncio! Nele existe
um clarão momentâneo: e tudo dorme.
Ai! que a noite irreal, cega e disforme,
ainda o faz mais pungente e amargo e triste!

Fantástico silêncio moribundo
aos meus olhos aceso como velas
que iluminassem becos e vielas
pelas cidades pálidas do mundo...

Lá o vejo pender, fruto caído,
lá o vejo soprar contra muralhas
e recobrir — silêncio envelhecido —

o que a noite ocultou, e está perdido...
Lá o vejo oscilar nas cordoalhas
de algum veleiro desaparecido.

Alphonsus de Guimaraens Filho






14 comentários:

  1. Un buen relato así es la ciudad se ven puras luces y edificios lo demás pura imaginación.

    Abrazos feliz fin de semana.

    ResponderEliminar
  2. Oi maria,
    O poema é belíssimo. Não conhecia.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Nem sempre o silêncio é de ouro, nem sempre a sua beleza nos deixa bem, mas cantado desta maneira direi que este poema tem uma beleza inteira.

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito. Não conhecia.
    Obrigado pela partilha.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Um silêncio revelador ,querida amiga desejo-lhe um sábado muito feliz beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Quando o mundo se agita, faz bem um pouco de silêncio, gostei do poema!
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Áh! Que poema Maravilhoso! Amei. Parabéns pela sua escolha!

    Beijo e um excelente fim de semana.

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderEliminar
  8. Lindo poema !!!!
    Bjs e bom fim de semana !
    Anna

    ResponderEliminar
  9. A vez o silêncio pode fazer bem à alma
    abraços de amizade

    ResponderEliminar
  10. Olá Maria
    O silencio nem sempre é mau, porque quem sabe ouvir o silêncio...sabe ouir tudo.:-)))
    Beijinho grande e bom fim de Semana
    Teresa

    ResponderEliminar
  11. Belíssimo soneto, de um poeta para mim desconhecido.
    Obrigada pela partilha, Maria.
    Bom fim de semana.
    xx

    ResponderEliminar
  12. Gostei da postagem, é um lindo poema que não conhecia.
    As vezes o silêncio é amedrontante, depende do que vai em nossa alma naquele momento.
    Beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
  13. Querida amiga

    Apesar de muito antigo
    este poema é perfeito
    em seu conceito de silêncio.
    Fico a imaginar às dores de Alphonsus,
    que vivia tão intensamente suas palavras,
    e a ver,
    tantas semelhanças com as nossas...

    Um imenso abraço.

    ResponderEliminar
  14. Oi Maria dizem que há tempo para tudo debaixo deste céu;
    e o meu tempo agora é de agradecer suas belas palavras lá na casa
    onde falas sobre dedicação, inspiração e empenho. Coisas boas
    servem para serem divididas.
    Compartilhas-tes com a casa o seu premio bem merecido isto me serviu de incentivo
    maior para todo o dia primeiro continuar postando; ainda que as vezes me de um desanimo kkk.
    Como bem sabes blog dá trabalho manter e por aqui não é diferente todos os posts
    da casa são praticamente em tempo real... é o que se passa naquele mês uma semana antes do
    dia primeiro se pensa uma pauta fotografa-se, separa e posta; as imagens são feitas só para o post daquele mês. Tudo em tempo real sobre a vida no sítio.
    E assim vamos fazendo uma corrente boa; já que o mundo anda bem conturbado; cada um a sua
    maneira; uns postando poemas outros imagens etc.

    Obrigada pela partilha neste poema sobre o silêncio que para mim a várias faces.
    Boa semana que daqui a pouco se inicia.
    janicce.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.