terça-feira, 5 de abril de 2016

Horas - Poema de Virgínia Victorino




Tem cada hora uma decifração.
As horas falam e têm gestos, cores.
Na hora da manhã - vê que esplendores! -
É diferente a sua vibração.

Repara bem na hora dos amores.
É um coração com outro coração.
Tem a hora maior palpitação.
Tem vida, movimentos e langores.

É cada hora um livro, e cada qual
da sua forma o lê: ou bem ou mal.
- Horas que vão e que não voltam mais!

Para mim há só duas. Males... bens...
É a hora dourada em que tu vens,
e a hora dolorosa em que te vais.


Virgínia Victorino



11 comentários:

  1. Não conhecia esta poetisa, gostei bastante do poema.
    Um abraço e uma óptima Terça-Feira.

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso essa é a melhor hora de ficarmos juntos.
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
  3. Tão bonito! :-) Parabéns pela escolha.

    Beijos e uma feliz terça-feira
    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderEliminar
  4. Apenas duas horas contam no tempo

    A hora dourada da chegada

    A hora negra da partida

    a acompanhar um lindo poema

    Maria luísa adães

    "os7degraus"

    ResponderEliminar
  5. Que lindo, Maria!
    Realmente... cada um vê ou sente de um jeito, dependendo de como está o coração...
    Abraços esmagadores e feliz dia.

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria Rodrigues
    Belo poema, um forte abraço.

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia, gostei...as imagens são fabulosas.

    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  8. Boa noite Maria,
    Magnifico poema da Virgínia.
    As horas todas elas com seu sentido. As das partidas e chegadas, as que mais nos dizem, principalmente quando chegam os nossos seres amados.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderEliminar
  9. Muito belo o poema que escolheu! Esses últimos versos nos mostram que, para todos, essas duas horas têm o mesmo significado. Bjs.

    ResponderEliminar
  10. Mais uma poetisa que desconhecia, e que adorei descobrir por aqui!...
    Belo poema! Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo