quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Abriu-se a Janela - Poema de Cecília Meireles




Abriu-se a janela
que existia no ar.
Ninguém viu posar
qualquer sombra nela.

Entre o lago e a lua,
sozinha subia
uma árvore fria,
delicada e nua.

E, de galho em galho,
andavam as loucas,
com cestas e toucas,
em busca de orvalho.

Azuis, os vestidos,
e o rosto coberto
de um luar incerto
- com os traços perdidos.

(Certamente para
que ninguém lembrasse
a dorida face
que amara e chorara...)

As loucas nos ramos
brincavam. E havia
no ar essa alegria
que nunca alcançamos.

Pela madrugada,
desfez-se a janela.
Partiram, com ela,
as sombras do nada.


Cecília Meireles

 

6 comentários:

  1. Oi Maria,
    Linda poesia, até me emocionou
    Beijos no coração
    Dorli Ramos

    ResponderEliminar
  2. Lindo...Lindo!!

    Beijinhos e um dia feliz´

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Um belo poema da Cecília Meireles.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  4. Cecília Meireles. Que bom lê-la aqui.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Gosto muito da Cecília Meireles ,beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Poema maravilhoso...
    Para cada noite... haverá sempre um amanhecer, a trazer alguma esperança renovada... com algo de bonito para ver...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.