quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Sussurro




Aquiete-se para ouvir o silêncio;
a clorofila escorre pela haste,
a sombra e o sol ecoam um contraste
de quentes e frios na linha divisória.


Tente escutar a história da brisa
quando passa empurrando
a bruma,que,tola, embaça a púrpura da rosa.
Esta conta prosa de sacerdotisa.


Faça atenção ao momento de explosão
da metamorfose
que irrompe em grande dose
de véus e açúcares.


Sinta o cochilo dos nenúfares.
Se conseguir atingir
o ponto mais profundo da quietude,
vai poder ouvir o coração do colibrí.


Ele bate minúsculo num peito passarinho.
A Terra se mobiliza para entoar
uma sonata azul em homenagem
a esse músculo coberto de plumagem,
que tão pequenininho é tão capaz de amar.


Flora Figueiredo 



10 comentários:

  1. Fascinante escolha! Obrigada pela partilha.

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  2. Belo poema Maria Rodrigues!
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  3. Que belo sussurrar querida amiga beijinhos muitas felicidades

    ResponderEliminar
  4. Um poema suave e pleno de encanto.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema e as imagens são também lindíssimas.
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  6. Achei lindo, lindo, esse poema. Tão subtil, parece um poema da alma. :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia esta poetisa. E gostei.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Olá, querida amiga Maria!
    Tudo sempre lindo por aqui e sua alma é de poeta feliz... Escolhe preciosos textos ou poemas para postar assim como ilustrações belas acompanham tudo...
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderEliminar
  9. Já houve quem quisesse ouvir estrelas... Desta feita há que ouvir o silêncio, a história da brisa e finalmente o coração do colibri. É a eterna busca pelo inefável, que dá sentido à vida, que completa a existência. Beijos.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo