sábado, 26 de agosto de 2017

Metamorfose





As borboletas são as flores
que, enfim, conseguiram voar,
mas vivem a rondar as plantas
como quem ronda o antigo lar;


há sempre, pelo ar, um jardim
de rosa múltipla e jasmim,


e há, talvez, a vontade enorme
em tudo de perder seu peso,
ter a leveza de quem dorme,


ser a lembrança no abandono,
ou luz de estrela se apagando.


Alberto da Cunha Melo, In “Dois caminhos e uma oração”


3 comentários:

  1. Delicado poema. o anseio da leveza e suavidade da vida. Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Olá, querida Maria!
    Ter a leveza de quem dorme... lindo!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderEliminar
  3. Maravilhosa partilha querida amiga ,desejo-lhe um abençoado fim de semana ,beijinhos

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo