quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Assovio - Poema de Cecilia Meireles



Assovio

Ninguém abra a sua porta
para ver que aconteceu:
saímos de braço dado,
a noite escura mais eu.

Ela não sabe o meu rumo,
eu não lhe pergunto o seu:
não posso perder mais nada,
se o que houve já se perdeu.

Vou pelo braço da noite,
levando tudo que é meu:
— a dor que os homens me deram,
e a canção que Deus me deu.

Cecília Meireles



3 comentários:

  1. Cecília Meireles sempre uma boa escolha Maria.
    Ler seus poemas aquece o coração.
    Sao sempre melodiosos como assovios,
    um abraço

    ResponderEliminar
  2. Bonito poema!

    Cantar ao Senhor, louvar em todo tempo!!! "E A CANÇÃO QUE DEUS ME DEU."

    Beijinhos, Maria... Muita Paz e carinho

    ResponderEliminar
  3. Escolha linda amiga Maria adoro Cecilia Meirélis passei para deixar um abraço e meu carinho para voce bjs marlene

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo