quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Serpa

Serpa situa-se no Baixo Alentejo, sobre uma elevação na margem esquerda do rio Guadiana. Pertence ao Distrito de Beja, região do Alentejo e subregião do Baixo Alentejo.

Foto: Net

Localizada numa região habitada desde tempos remotos, Serpa tem uma grande influência Romana, que muito desenvolveu a região, especialmente em termos agrícolas, e também Muçulmana, apelidada de “Scheberim”, tendo sido reconquistada por D. Afonso Henriques em 1166. Tendo sido perdida por várias vezes nas constantes lutas da Reconquista. Foi definitivamente constituída como concelho por D. Dinis, que também mandou reconstruir o seu castelo e cercar Serpa por uma cintura de muralhas, em 1295.

Foto: wikipedia

A sua proximidade com a fronteira espanhola acarretou no passado, graves problemas para o desenvolvimento deste concelho. Com as guerras da Restauração, Serpa ficou quase completamente destruída, nomeadamente a sua fortaleza. A paisagem em Serpa é fabulosa, não só dentro das belas e históricas muralhas, no centro histórico da cidade, mas igualmente na magnífica e extensa planície e nos montes cobertos de Searas, rosmaninho e papoilas.

Foto: Ruivo Neca

Neste concelho predominam as actividades ligadas ao sector primário, seguidas das do secundário, com a indústria ligada à olaria e à cerâmica, e só depois as do sector terciário.

Foto: Ruivo Neca

Dentro da vila o traçado das ruas, que se abrem para grandes largos onde coexiste uma arquitectura tradicional, erudita e religiosa, confere a Serpa um carácter muito singular que torna o passeio delicioso. A parte mais alta do morro corresponde ao núcleo urbano primitivo, medieval, mouro e cristão.

Foto: net
A visitar:
Muitos são os monumentos dignos de registo nesta encantadora cidade, como as Igrejas Matriz, em estilo gótico, a de São Salvador (século XVII), a de Nossa Senhora da Saúde, a de São Francisco (iniciada em 1502) e a da Misericórdia (erigida em 1505, com interessantes azulejos do século XVIII, além dos museus arqueológico e etnográfico), o Convento de São Francisco, o Convento e Igreja de São Paulo, o imponente Palácio dos Condes de Ficalho (de finais do século XVI) ou a Torre do Relógio (que se supõe ser a terceira mais antiga do País), entre tantos, tantos outros.

Igreja de São Salvador
Foto: http://www.monumentos.pt

Jardim Municipal de Serpa
Espaço verde com abundante variedade vegetal e canteiros floridos. No seu interior destaca-se um lago com gansos e uma gaiola com aves raras.


Muralhas de Serpa
As muralhas de Serpa irrompem no meio de um outeiro, apresentando diversos estilos de arquitectura. Compõem-se actualmente de castelo e alcáçova com torre de menagem adossada, e muralhas reforçadas por torres e torreões. Dentro e fora das muralhas estende-se a povoação, a maior parte da qual ainda intramuros. O palácio dos Melos está assente sobre um de seus panos, assim como o aqueduto, cuja arcada se prolonga até à nora mourisca, que servia para abastecer de água o palácio.


Foto: Ruivo Neca

O Castelo de Serpa
Em posição dominante sobre a povoação, integra o território à margem esquerda do rio Guadiana.

Foto: Ruivo Neca

O castelo ergue-se no centro histórico da povoação, a duzentos e trinta metros acima do nível do mar. No plano mais elevado, junto à muralha, a norte, implanta-se a alcáçova, de planta quadrangular.

Foto: Net
O Museu Arqueológico

A muralha da alcáçova é reforçada pela Torre de Menagem. Ali se encontra instalado o Museu Arqueológico de Serpa. O museu apresenta uma exposição permanente de materiais arqueológicos que abrangem um vasto período cronológico - do Paleolítico inferior à época islâmica -, oriundos, na sua maioria, da área geográfica do concelho.
Relativamente ao Paleolítico, as peças em exposição são provenientes do Moinho do Catalão, da Casa da Barca, da Quinta de D. Luís, da Azenha do Correia, de Insua, do Moinho do Catalão, da Azenha dos Machados e do Terraço do Laço. A Idade dos Metais está representada com materiais oriundos de S. Brás I, do Moinho da Misericórdia e do Castelo de Serpa. As peças datadas do período romano foram encontradas na Torre Velha, na Cidade das Rosas, no Monte Branco, na Quinta de D. Luís, no Monte dos Alpendres e na cidade de Serpa. No que diz respeito aos materiais islâmicos, a sua proveniência situa-se na Cidade das Rosas e no Monte Zambujeiro.


A Igreja de Santa Maria
Fica situada nas imediações do Castelo, no Largo de Santa Maria ou Largo dos Santos Próculo e Hilarião, é também chamada Igreja Matriz de Serpa, sendo a igreja mais antiga ali construída. A sua construção inicial data do século XIV, tendo provavelmente sido executada sobre uma antiga mesquita árabe. O interior é constituído por três naves, divididas por arcos sustentados por colunas. As capelas laterais apresentam exemplos de talha dourada, testemunhando a riqueza decorativa do barroco. A capela-mor, dominando todo o conjunto, data dos séculos XVI e XVII.

Foto:wikipedia_Tagido

Torre do Relógio
Na praça fronteira à Igreja Matriz de Santa Maria ergue-se a chamada Torre do Relógio, de planta quadrangular, onde se ergue a sineira. Vestígio da cerca da vila, foi transformada em relógio em 1440, constituindo-se na terceira torre relojoeira mais antiga do país.

Foto:www.olhares_Dias dos Reis

Palácio dos condes de Ficalho
Inserido no pano das muralhas inscreve-se o Palácio dos condes de Ficalho, em estilo maneirista, iniciado por D. Francisco de Melo, alcaide-mor de Serpa no final do século XVI e prosseguido por seus filhos, D. Pedro de Melo, governador da Capitania do Rio de Janeiro (1662-1666), e D. António Martim de Melo, bispo da Guarda.

Foto: panoramio_DalilaSilva

Museu do Relógio em Serpa
É o único na Península Ibérica e um dos cinco que, a nível mundial, se dedica a esta temática, possuindo um espólio com mais de 1.950 relógios mecânicos desde 1630 até 2009. Instalado no edifício do Convento do Mosteirinho do século XVI, em pleno centro histórico da cidade, o núcleo museológico é uma instituição privada, criada há 35 anos. António Tavares d ’Almeida, é o principal dinamizador do museu que teve origem após herança dos avós de três relógios de bolso avariados.

Foto: wikipedia

Museu Etnográfico de Serpa
Situado no antigo edifício do mercado municipal, o museu foi inaugurado em 1987. Ofícios da Terra é o nome da exposição permanente que aqui se pode visitar e que é composta por artefactos e instrumentos ligados a várias profissões e actividades típicas da região.

Foto: Rodas de Viriato

Alojamento possível:
■ Casa da Muralha, (Solares de Portugal – Casas rústicas), situa-se no centro histórico de Serpa, encostada às Portas de Beja da muralha dionisina – sobre a qual se erigiu um aqueduto no século XVII.


■ Estalagem de S. Gens, Situada no alto de S. Gens, junto à Ermida de Nossa Senhora da Guadalupe, perto da fronteira com Espanha tem uma vista deslumbrante da planície pontuada pelos vastos olivais que rodeiam Serpa.


■ Zens Village, Turismo rural, Largo da Corredoura, Serpa
Casa apalaçada do século XVIII situada na zona histórica de Serpa, junto às muralhas do castelo.



■ Herdade de Besteiros, Turismo rural


■ Monte da Morena, Turismo rural



■ Casa de Serpa, Casas de campo


■ Parque de Campismo Municipal de Serpa

Apartamentos:

http://www.classificados.pt/
http://www.villanao.pt/
http://www.homelidays.com/
http://pt.anuncioo.com/
http://www.gabinohome.com/

Gastronomia
Esta região Alentejana prima pela sua boa cozinha, que tem como melhor aliado, o Pão de qualidade. Como pratos tradicionais da região pode salientar-se,  as migas, a açorda, o borrego à pastora, as lavadas (sopa fria de tomate pisado), o gaspacho (chamado aqui de “vinagrada”), as masmarras (papa quente de pão e alho), os “grãos com alho e louro”, a surra-burra (na época da matança do porco), as “caldeiradas de peixe do rio”, tudo acompanhado com os melhores tintos do Alentejo.
Entre os doces tradicionais, destacam-se os folhados de gila, as queijadas de requeijão, os tosquiados(de claras de ovos e amêndoa), as turtas (recheadas de batata doce).


Não podemos esquecer de referir também o queijo de ovelha de Serpa que é famoso e muito apreciado por todo o País.


■ Restaurante O Alentejano, Praça da República, Serpa
Já comi lá diversas vezes, é um restaurante muito simpático e agradável. Adoro principalmente a sopa de cação de coentrada e os lombinhos de porco preto em pau de loureiro, são excelentes!


■ Restaurante Molho Bico, Rua quente, Serpa
■ Restaurante O Zé, Praça da República, Serpa
■ Cervejaria Lebrinha, Rua do Calvário, Serpa
■ Restaurante O Lagar, Estrada de Brinches, Pias

Serpa é uma cidade cheia de beleza e história.


Foto: Ruivo Neca

Fontes: http://pt.wikipedia.org/ ; http://www.serpa-digital.com/; http://www.cm-serpa.pt/;
Fotografias: wikipedia_http://olhares.aeiou.pt/; Rui Neca; http://www.monumentos.pt; www.panoramio, Várias net


* Fotos: Net
As fotografias sem indicação dos autores é porque não os consegui identificar. Se forem suas, por favor queiram contactar-me que colocarei imediatamente o seu nome, ou retiro-as se for esse o seu desejo. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.


9 comentários:

  1. Olá Maria
    Os seus artigos são documentos de cultura e informação muito importantes.
    Lêem-se com muito agrado e mesmo quando são nossos conhecidos ajudam-nos a recordar momentos especiais.

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, mais uma linda postagem com explicações e fotos encantadoras. O Alentejo é um lugar muito lindo. Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Querida, adorei conhecer com voce as belezas de Serpa...me encantaram por demais essas paisagens.
    Tenha um bom dia amiga...beijinhos...
    Valéria

    ResponderEliminar
  4. Minha querida amiga espero que esteja tudo bem consigo, penso que sim a avaliar pelas suas lindas postagens.
    Mas deixo aqui em forma de desabafo,
    ó perdeu minha morada, ó comigo está zangada?

    Espero que nem uma nem outra, beijinhos de luz e muita paz em seu coração.

    ResponderEliminar
  5. *
    a bela Serpa,
    ,
    Lá vai Serpa, Lá vai Moura
    As Pias ficam no meio !
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  6. O domínio muçulmano por seculos na península ibérica, mais os constante ataques que ela sofria e ainda sua posição estratégica geograficamente para a aventura além mar trouxe maus momentos aos povos de lá, no entanto deixou um legado arquitetônico para a humanidade de encantar e preservar para sempre. Lindíssimo, Maria! Abraços. Paz e bem.

    ResponderEliminar
  7. Todo o cantinho do Alentejo
    eu com olhos de carinho vejo!
    Uma costela Alentejana
    um carinho de um avô materno
    e o meu coração é terno...
    obrigada Maria...Serpa não conheço
    mas me faz lembrar outro berço...

    beijinhos de carinho

    ResponderEliminar
  8. Uma descrição perfeita e educativa.
    Fiquei com vontade de conhecer.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. MARIA QUERIDA, MUITO OBREIGADA PELA VISITA, SEJA SEMPRE BEM-VINDA. O SEU BLOG, EU JA DISSE ISSO, É UMA AULA DE GEOGRAFIA E DE HISTÓRIA É CULTTURA A DMIRO MUITO E POESIAS TAMBEM. BRAVO MARIA, UM ABRAÇO COM MUITO CARINHO CELINA

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.