quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Maria das Quimeras - Poema de Florbela Espanca




Maria das Quimeras me chamou
Alguém.. Pelos castelos que eu ergui
P'las flores d'oiro e azul que a sol teci
Numa tela de sonho que estalou.

Maria das Quimeras me ficou;
Com elas na minh'alma adormeci.
Mas, quando despertei, nem uma vi
Que da minh'alma, Alguém, tudo levou!

Maria das Quimeras, que fim deste
Às flores d'oiro e azul que a sol bordaste,
Aos sonhos tresloucados que fizeste?

Pelo mundo, na vida, o que é que esperas?...
Aonde estão os beijos que sonhaste,
Maria das Quimeras, sem quimeras?...

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade" 






11 comentários:

  1. Oi Maria, boas férias para vc. Eu sou admiradoura de Florbela Espanca, fiquei feliz com o bonito soneto, por sinal muito lindo. um abraço carinhoso, Celina.

    ResponderEliminar
  2. Oi Maria, tem selos de presente pra você nos meus blogs
    palavrasnosventos.blogspot.com
    haikainosventos.blogspot.com

    passenos dois e pegue
    beijos

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria; Lindo poema, mas florbela sempre escreveu lindos poemas adorei.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  4. Oi Maria, gosto do estilo da Florbela.
    A poesia é linda, e evoca uma certa melancolia.

    "Sem a solidão, do amargoso rito,
    Tranqüila volta, por caminhos claros
    De mãos dadas, sem nenhum conflito
    Tão linda formosa, de amores raros"

    Beijos em teu coração.

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema...pura sensibilidade de Florbela...
    Beijinhos...
    Valéria

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga, linda poesia...Beijocas

    ResponderEliminar
  7. Admiro muito os poemas de Florbela e a sua coragem num tempo tão adverso...

    ResponderEliminar
  8. Olá Maria!

    Forma superior, recheada de triste melancolia, este descrever do acordar dum lindo sonho que não resistiu à luz do dia, e se transformou em profunda desencanto - como só ela é capaz de fazer.

    Beijinhos.
    Vitor

    ResponderEliminar
  9. Florbela Espanca é das nossas maiores Poetisas. Cantou o amor como ninguém...mas tambem a desdita, as desilusões e angústias.
    Foi uma ulher de contrastes vividos até aos expoentes máximo.
    Belissima escolha.
    Graça

    ResponderEliminar
  10. Olá amiga, é um lindo poema! Obrigada por
    compartilhar...
    Querida, espero-te em meu blog pra buscar
    o selinho que tenho lá pra você...
    Deixo-te um abraço e meu carinho... Bjsss

    ResponderEliminar
  11. EI AMIGA TEM SELINHO PARA VC NO MEU BLOG E O SELINHO DE DESTAQUE DESSE MES TBEM.SAO 4 SELINHOS ESTA NO INICIO DO MEU BLOG OK!!!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.