segunda-feira, 10 de maio de 2010

Numa concha - Poema de Olavo Bilac




Pudesse eu ser a concha nacarada,
Que, entre os corais e as algas, a infinita
Mansão do oceano habita,
E dorme reclinada
No fofo leito das areias de ouro...
Fosse eu a concha e, ó pérola marinha!
Tu fosses o meu único tesouro,
Minha, somente minha!

Ah! com que amor, no ondeante
Regaço da água transparente e clara,
Com que volúpia, filha, com que anseio
Eu as valvas de nácar apertara,
Para guardar-te toda palpitante
No fundo de meu seio!

Olavo Bilac





3 comentários:

  1. A metáfora de possuir, de prender, de amar num cenário mágico, entre algas e corais.

    Lindo este poema de Olavo Bilac

    ResponderEliminar
  2. Maria querida, que poema lindo de Olavo Bilac...que aconchegante ser uma concha...
    Tenha uma ótima semana, amiga.
    Beijos...
    Valéria

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria!
    Quem não gostaria de ter uma pérola só para si ...?
    Na falta dela, resta-nos sonhar como neste lindo poema - recheado de fantasia e poesia.

    Beijinhos.
    Vitor

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo