quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Desencanto - Poema de Manuel Bandeira





Eu faço versos como quem chora
De desalento , de desencanto
Fecha meu livro se por agora
Não tens motivo algum de pranto

Meu verso é sangue , volúpia ardente
Tristeza esparsa , remorso vão
Dói-me nas veias amargo e quente
Cai gota à gota do coração.

E nesses versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre
Deixando um acre sabor na boca

Eu faço versos como quem morre.
Qualquer forma de amor vale a pena!!
Qualquer forma de amor vale amar!



Manuel Bandeira


3 comentários:

  1. Lindo o Manoel com este soneto, onde qualquer forma de amor vale amar.
    Bela escolha da obra deste belo poeta.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde Maria! Em primeiro lugar agradecer as visitas ao blog e preocupação.A verdade é que por aqui as coisas não andaram bem,vamos a ver daqui para diante o que espero que sejam melhores.Gosto bastante deste poeta.Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. Um desencanto que encanta ,muitos beijinhos querida amiga

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.