quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Canção do Exílio - Poema de Gonçalves Dias




Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas tem mais flores,
Nossos bosques tem mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu′inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.


Gonçalves Dias


4 comentários:

  1. Maravilhoso poema. Parabéns pela escolha.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Amo esse poema, Maria!
    Tenho um post pronto faz tempo a respeito, mas ainda não publiquei no meu espaço.
    Quando pequena, adorava declamar na escola.

    Bjks

    ResponderEliminar
  3. Esse poema minha mãe adorava falar para nós como uma canção Maria Rodrigues!
    Lindo demais.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo