quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010

Urso Polar - O rei do Gelo


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!



Se queremos deixar um Planeta saudável, como herança para ás futuras gerações, é imprescindível que cada um de nós, tenha consciência da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, enfim, “O nosso magnifico Planeta”.



"O aspecto mais triste da vida de hoje é que a ciência ganha em conhecimento mais rapidamente do que a sociedade em sabedoria." (Isaac Asimov)

Nunca devemos esquecer que, a EXTINÇÃO é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre. Conhecendo os animais e os riscos que eles correm, já é um primeiro passo para fazermos o que estiver ao nosso alcance, afim de os protegermos.

Hoje Vou falar um pouquinho do: Urso Polar



Nome Científico: Thalarctos maritimus
Ordem: Carnivora
Família: Ursidae



Distribuição e Habitat :
Os ursos polares habitam principalmente as regiões do circulo polar árctico e territórios envolventes, nomeadamente Canadá, Alasca, Sibéria, Gronelândia e ilhas próximas, como Svalbard (Noruega) e Wrangel (Rússia).


O habitat natural do animal é a camada fina de gelo, onde lhe é possível caçar focas. Ele é perfeitamente apto à vida no gelo, sendo encontrado durante o Inverno nos mares congelados de Chukchi e Beaufort ao norte do Alasca, mares Siberiano Oriental, de Laptev e de Kara na Rússia e no mar de Barents ao norte da Europa. São comuns também na porção norte do mar da Groenlândia, na baía de Baffin e em todo o arquipélago Árctico Canadense.


Com o degelo das calotes polares, muitos ursos têm sido encontrado afogados longe dos seus territórios naturais, vítimas do deslocamento de imensas massas de gelo que se separam com os animais em cima e que acabam por derreter, deixando os ursos muito longe de algum local firme e levando a que, apesar de serem excelentes nadadores, acabem por morrer.


Identificação:
O urso-polar é um dos maiores das espécies de urso. Os machos desta espécie têm cerca de 600 kg, mas podem atingir 800 kg e medem até 2,60 m. As fêmeas são em média bem menores, com 200 a 300 kg de massa e 2,10 m de comprimento. Ao nascer o filhote tem 0,6 a 0,7 kg. A camada de gordura subcutânea pode chegar a uma espessura de 15 cm. Ainda que pesado e forte, move-se com facilidade na paisagem branca do Ártico.


Todo o seu corpo é adaptado para um excelente desempenho na água e para o frio. A pelagem dos ursos-polares é branca e cobre todo o corpo, inclusive a planta das patas, como isolamento do frio. É composta por uma densa camada de sub-pelo (cerca de 5 cm de comprimento) e uma camada de pêlos externos. O isolamento térmico proporcionado pela pelagem geral é tão eficiente que torna o animal praticamente invisível a detectores infravermelhos. Acima de 10°C, contudo, isto pode levar ao sobre-aquecimento do animal. Outra característica da sua pelagem é não reflectir a luz ultravioleta. Ao contrário dos demais mamíferos árcticos, os ursos-polares não sofrem processo de muda sazonal.



Hábitos:
Esta espécie concentra-se junto à costa uma vez que depende das águas para encontrar as suas presas. O seu pêlo longo e gorduroso isola-o da água e mantém-no aquecido. Na água sente-se à vontade porque a gordura e o ar nos pulmões permitem que ele flutue com facilidade. É um bom nadador e excepcionalmente resistente, o urso-polar pode permanecer na água durante horas.


É um animal de hábitos diurnos e carácter solitário, vive em pequenos grupos de três ou quatro indivíduos, e, por isso, fica mais exposto a agressões externas.


Os machos adultos, como todos os outros ursos, podem atacar e matar filhotes. As fêmeas os defendem mesmo de um macho medindo em média o dobro de seu tamanho.
Os territórios, muitas vezes enormes, não são defendidos. Apesar de não serem sociais, os ursos são capazes, contudo, de dividir uma carcaça de baleia sem maiores conflitos.
Devido à abundância de comida mesmo durante o Inverno, o urso-polar não hiberna no sentido estrito da palavra. Ele entra em um estado de dormência, no qual a sua temperatura corpórea não cai, passando a subsistir das suas reservas de gordura corporal.


São animais muito preocupados com a própria higiene. Após cada refeição, eles dedicam cerca de 15 minutos para eliminar a sujidade. Para se limpar eles usam as patas, a língua, água ou neve. Isto deve-se ao facto de que o sujo interfere com a capacidade de isolamento térmico da pelagem.


Alimentação:
A base da dieta dos ursos polares são principalmente as focas, independentemente da espécie, já que fornecem alimento e muita gordura, extremamente necessária para estes animais. No entanto, qualquer outro animal que se cruze com um urso polar pode ser uma refeição, sejam aves ou os seus ovos, mamíferos terrestres locais, peixes ou carcaças de baleia que ocasionalmente encontre enquanto vagueia. O urso-polar é um nadador e um corredor capaz, o que o torna um caçador eficiente tanto na água quanto na terra firme. Devido a necessidades energéticas, um urso polar necessita ingerir, pelo menos, 2 kg por dia para sobreviver.


Reprodução:
A reprodução ocorre entre os meses de Abril e Maio. A competição pelas fêmeas é intensa já que esta só se reproduz de 3 em 3 anos, o que implica que existem 3 machos para cada fêmea. Uma fêmea pode ser acompanhada por vários machos, até que o mais forte consegue afastar todos os outros pretendentes, ficando juntos durante uma semana ou mais.


A gestação deste animais dura em média 230 dias, podendo variar entre 195 e 265 dias, findos os quais podem nascer entre uma e quatro crias, mas normalmente duas.


As crias nascem entre Novembro e Janeiro, no abrigo construído pela fêmea, e não se separam da mãe até completarem cerca de dois anos de idade, com ela aprendem a caçar e a sobreviver. Nascem cegas e pesando muito pouco em relação ao peso adulto. Em média, durante a sua vida uma mãe ursa desta espécie pode gerar crias 5 vezes.


Os ursos polares a viver em liberdade têm uma esperança de vida média de 30 anos, em cativeiro um pouco mais.


Estatuto de conservação e principais ameaças:
Esta espécie está classificada pela IUCN como vulnerável, o que se deve a vários factores: a caça, que devastou grande parte dos animais desta espécie, a baixa taxa de natalidade registada na espécie e, finalmente, o aquecimento global. A sua população está diminuindo cada vez mais, sendo o maior predador do Urso polar, o homem!.


Há que compreender a importância de cada organismo na complexa e maravilhosa teia da Vida na Terra.

Fontes: “Wikipedia”; Enciclopédia a Vida Animal; outros sites net


“A Terra provê o suficiente para as necessidades de todos os homens, mas não para a voracidade de todos.” (Mahatma Gandi) .

12 comentários:

  1. Que lindo mundo! Distante! - Interessante saber que a natureza cria neles esta proteção na espessura da pele.

    "O aspecto mais triste da vida de hoje é que a ciência ganha em conhecimento mais rapidamente do que a sociedade em sabedoria." (Isaac Asimov)".
    Linda matéria

    ResponderEliminar
  2. Amiga, muito lindo e informativo o seu post! Magníficas imagens! Aplausos!!! Deixo carinhos pra ti... Bjsss

    ResponderEliminar
  3. É um animal fantástico...não me canso de
    admira-lo...Post incrível...adorei..
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Querida amiga, ursos polares são animais magníficos, infelizmente ameaçados pelo homem, mesmo vivendo sózinhos, isolados, na imensidão do gelo polar. Belíssima postagem. Beijocas

    ResponderEliminar
  5. "Se chovesse felicidade, eu lhe desejaria uma tempestade. Feliz Natal e um Prospero Ano Novo repleto de saude paz amor na companhia de todos os que vos são queridos.
    São os nossos maiores desejos.
    Bjs com carinho

    ResponderEliminar
  6. Minha querida

    Mais uma viagem maravilhosa...pela informação e belas fotos, saio sempre daqui mais rica.

    deixando um beijinho e o meu carinho e agradecendo o seu.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  7. É sem sombra de dúvida um belíssimo animal!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Parabéns pela matéria! Muito interessante e envolvente!

    ResponderEliminar
  9. Perfeito achei muito legal...

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.