terça-feira, 30 de março de 2010

Os versos mais tristes esta noite - Poema de Pablo Neruda



Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo: "A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros lá ao longe".
O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu amei-a e por vezes ela também me amou.
Em noites como esta tive-a em meus braços.
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito.

Ela amou-me, por vezes eu também a amava.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que já a perdi.

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho.
Importa lá que o meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
A minha alma não se contenta com havê-la perdido.
Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a.
O meu coração procura-a, ela não está comigo.

A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores.
Nós dois, os de então, já não somos os mesmos.
Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei.
Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido.

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos.
Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda.
É tão curto o amor, tão longo o esquecimento.

Porque em noites como esta tive-a em meus braços,
a minha alma não se contenta por havê-la perdido.
Embora seja a última dor que ela me causa,
e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo.

Pablo Neruda


8 comentários:

  1. BOM DIA, Maria! Adorei seu blog! Grande abraço, Mel

    ResponderEliminar
  2. lindo poema.. adorei e o que dizer ?

    De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
    A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos.
    Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda.
    É tão curto o amor, tão longo o esquecimento.

    esses amores que partem e fica em nós as perguntas sem respostas.
    grande verdade ...É tão curto o amor, tão longo o esquecimento.

    linda tarde..beijão

    ResponderEliminar
  3. Oi, Maria! Adoro estes versos mais tristes de Neruda!
    Beijos, Minha Linda!

    *Eu sei que vou te amar
    Por toda a minha vida eu vou te amar
    Em cada despedida eu vou te amar
    Desesperadamente, eu sei que vou te amar
    E cada verso meu será
    Prá te dizer que eu sei que vou te amar
    Por toda minha vida
    Eu sei que vou chorar
    A cada ausência tua eu vou chorar
    Mas cada volta tua há de apagar
    O que esta ausência tua me causou
    Eu sei que vou sofrer a eterna desventura de viver
    A espera de viver ao lado teu
    Por toda a minha vida

    Eu Sei Que Vou te Amar
    Composição: Tom Jobim / Vinícius de Moraes*

    Moidinha, já já saio*****************
    Beijos, love you!

    ResponderEliminar
  4. Oi migaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.
    Versos tristes e encantadores.
    Parabéns minha flor.
    Amei a sua visita.
    beijokas.

    ResponderEliminar
  5. Minha querida
    Lindo poema, com a melancolia de Neruda.
    Adorei as imagens, também

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria, O Pablo Neruda, é sempre uma boa escolha, eu digo que é uma boa escolha, tudo o que eu conheço dele é bom.É um dos poetas Latino ou Americano que eu mais gosto de ler.Embora este seja um poema um bocadinho triste,

    Um beijinho,
    José.

    ResponderEliminar
  7. Bom dia Maria,
    Adorei sua visita e as palavras que você deixou no blog e como somos parecidas!!!Sim, temos muitas coisas em comum. Eu também adorei seu espaço e com certeza virei te visitar outras vezes. Um grande abraço!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.