domingo, 28 de março de 2010

E por vezes - Poema de David Mourão Ferreira



E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos


David Mourão Ferreira


10 comentários:

  1. lindo poema..por tantas vezes fazemos tantas coisas.

    E por vezes sorrimos ou choramos
    E por vezes por vezes ah por vezes
    num segundo se evolam tantos anos

    lindo..amei...parabens pela escolha..beijo e um desejo de um dia lindo para vc

    ResponderEliminar
  2. É deliciosa este soneto de David Mourão Ferreira.
    Obrigada pela partilha!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. um amavel soneto, delicioso, muito obrigalo por compartilhar conosco.
    saudações.

    ResponderEliminar
  4. Por vezes a vida parece um mar de espinhos, outras um mar de flores, é isso que nos faz seguir para desbravar mares e crescer a cada dia e a cada vez!
    Um beijo e que bom que encontrou o meu cantinho, e eu também acabei encontrando o teu..seguindo tb tá! ;)

    ResponderEliminar
  5. Olá Maria, boa noite.

    Por vezes vivemos e sonhamos
    por vezes vivemos a realidade
    por vezes o caminho que seguimos
    por vezes não nos leva nenhum lado

    um beijinho,
    José.

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria, benvinda ao meu cantinho :)

    Também eu gosto de David Mourão Ferreira, desde menininha, escolhi este para ti :)

    Entre vento e navalha escolho o vento

    entre verde e vermelho aquele azul

    que até na morte servirá de espelho

    ao vento que por dentro me deslumbra

    Entre ventre e cipreste escolho o Sol

    Entre as mãos que se dão a que se oculta

    Entre o que nunca soube o que já sobra

    Entre a relva um milímetro de bruma.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Minha querida
    amei este poema...muito bos escolha, um grande poeta.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  8. Querida Maria!

    Um lindo e inspirador soneto que nos remete ao nosso cotidiano que é cheio de pensamentos e sentimentos que nos fazem refletir sobre nossa real caminhada no plano terreno.

    Desejo-lhe uma semana abençoada envolta de muita Luz, Paz e Amor!


    Abraços fraternos!

    ResponderEliminar
  9. Amigos, obrigado pelas vossas carinhosas palavras.
    Um grande beijinho
    Maria

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.