quarta-feira, 5 de junho de 2019

Arma Secreta - Poema de António Gedeão




Tenho uma arma secreta
ao serviço das nações.
Não tem carga nem espoleta
mas dispara em linha recta
mais longe que os foguetões.

Não é Júpiter, nem Thor,
nem Snark ou outros que tais.
É coisa muito melhor
que todo o vasto teor
dos Cabos Canaverais.

A potência destinada
às rotações da turbina
não vem da nafta queimada,
nem é de água oxigenada
nem de ergóis de furalina.

Erecta, na noite erguida,
em alerta permanente,
espera o sinal da partida.
Podia chamar-se VIDA.
Chama-se AMOR, simplesmente.


António Gedeão

10 comentários:

  1. OI MARIA!
    UM POEMA BELÍSSIMO, VALEU PELA ESCOLHA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.bcr/

    ResponderEliminar
  2. O poeta popular sempre foi um dos meus favoritos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Maria que beleza de poema, simplesmente lindo demais, parabéns pela escolha, adorei! beijos

    ResponderEliminar
  4. Um poema muito bem escolhido. Parabéns!!

    Beijos e um dia feliz.

    ResponderEliminar
  5. Bonito poema, Maria! O final é maravilhoso: "Chama-se AMOR, simplesmente."

    O meu abraço e carinho... Muita paz e saúde p vc e família...

    ResponderEliminar
  6. Belíssima escolha, Maria! Um poema que ainda não conhecia...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo