quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Os Degraus - Poema de Mário Quintana




Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...


Mário Quintana in (Báu de Espantos)

9 comentários:

  1. Belo poema, embora eu não ligue muito a poesia!
    Do que gostei muito foi da tua descrição: "Nos momentos em que aqui estou, todas as preocupações e tristezas, dúvidas e problemas, ficam por momentos esquecidos.". Passa-se o mesmo comigo e com os blogues!
    Bjs
    (também sou a M. da Panificadora Ribeiro)

    ResponderEliminar
  2. A vida é tal qual como os degraus... Altos e baixos!

    ❣️ Vinte e cinco anos após... a tua partida...
    Beijos e uma excelente tarde!

    ResponderEliminar
  3. Poema bonito, profundíssimo e bem escolhido...
    Um beijinho, Maria...

    ResponderEliminar
  4. Uma bonita escolha:))

    Bjos
    Votos de uma óptima noite.

    ResponderEliminar
  5. That image is lovely.
    Thanks for sharing this poem.

    All the best Jan

    ResponderEliminar
  6. Gostei do poemas, mas muito mais da forma como o adornaste: combinação perfeita!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo