terça-feira, 2 de outubro de 2018

Paz - Natália Correia




Irreprimível natureza
exacta medida do sem-fim
não atinjas outras distâncias
que existem dentro de mim.

Que os meus outros rostos não sejam
o instável pretexto da minha essência.
Possam meus rios confluir
para o mar duma só consciência.

Quero que suba à minha fronte
a serenidade desta condição:
harmonia exterior à estátua
que sabe que não tem coração.

Natália Correia, in "Poemas (1955)"


16 comentários:

  1. Boa noite, querida amiga Maria!
    Tendo 💙 a gente corre o risco de perder a serenidade, mas ler uma poesia assim e ver uma tela como esta ajuda muito na recuperação, certamente.
    Deus a abençoe muito!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

    ResponderEliminar
  2. Belíssima poesia! Ao ler sentimos a paz nos envolver. Parabéns pelo bom gosto ao escolher esse texto poético.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Paz - cada vez mais necessária e cada vez mais ausente.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Hello dear Maria!
    A wonderful image ! So peaceful!
    Lovely poem and lyrics!
    Wishing you a lovely day!
    Dimi...

    ResponderEliminar
  5. Bom dia. Obrigada pela partilha do poema, não conhecia.:))

    Hoje » Poesia sem sonhos

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria, é um belo poema, de uma tranquilidade algo nostálgica.
    R: Ontem respondi ao e-mail pelo telemóvel e não vi a mensagem toda. Vou aguardar ansiosamente pela publicação <3 muito obrigada! :)
    Beijinhos e continuação de uma excelente semana!

    ResponderEliminar
  7. Oi Maria, bt!
    Poema lindo e a imagem belíssima. Parabéns!
    Bjssss amiga 💋

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo