terça-feira, 12 de junho de 2018

Poema - António Ramos Rosa




As palavras mais nuas
as mais tristes.
As palavras mais pobres
as que vejo
sangrando na sombra e nos meus olhos.
Que alegria elas sonham, que outro dia,
para que rostos brilham?
Procurei sempre um lugar
onde não respondessem,
onde as bocas falassem num murmúrio
quase feliz,
as palavras nuas que o silêncio veste.
Se reunissem
para uma alegria nova,
que o pequenino corpo
de miséria
respirasse o ar livre,
a multidão dos pássaros escondidos,
a densidade das folhas, o silêncio
e um céu azul e fresco.


António Ramos Rosa



20 comentários:

  1. As palavras que nos permitem muito mais que pura e simplesmente comunicar.

    ResponderEliminar
  2. A delicate poem. What else does a person need? Fresh air and the blue sky is enough.
    Have a nice Tuesday!
    Hugs and regards from Finland!

    ResponderEliminar
  3. Words, even the saddest and most barren, still carry within them the capacity to melt the hardest of hearts and the stoniest of souls, and to bring the blue of the sky into the darkness that so often subsumes us.

    ResponderEliminar
  4. La poema es preciosa - me encanta su atmósfera, un poco melancólica. Feliz día.

    ResponderEliminar
  5. Tão bonito. Parabéns pela escolha. :))


    Hoje: -Careço das tuas palavras de conforto .

    Bjos
    Votos de uma óptima Terça-Feira

    ResponderEliminar
  6. ... is a sad poem, but very beautiful!
    Have a nice day!

    ResponderEliminar
  7. Bonito e profundo poema. Palavras nuas que o silêncio veste!! ... E um céu azul e fresco!!!
    Abraço grande

    ResponderEliminar
  8. Um belo poema de um autor que passo a conhecer. Versos profundos: ..."as palavras nuas que o silêncio veste"...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  9. Simplesmente brilhante!! Amei!

    Beijo e uma excelente semana

    ResponderEliminar
  10. Muito belo! Que as palavras mais nuas se possam vestir de um céu azul e fresco.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. Bonito poema que resumiendolo en una palabra podria ser, Libertat.
    Un abrazo, Maria.

    ResponderEliminar
  12. É um poema muito belo... de uma sensibilidade e delicadeza
    verdadeiramente tocantes e encantadoras.
    Abraço, Maria.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  13. Bonito poema
    Gostei muito de ler
    Bjs

    Hoje em Caminhos Percorridos - CAMINHAR NO TEMPO

    ResponderEliminar
  14. Thank you for posting this poem.
    I did enjoy reading it.

    All the best Jan

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.