sábado, 22 de agosto de 2015

Soneto XV - William Shakespeare




Quando penso que tudo o quanto cresce
Só prende a perfeição por um momento,
Que neste palco é sombra o que aparece
Velado pelo olhar do firmamento;

Que os homens, como as plantas que germinam,
Do céu têm o que os freie e o que os ajude;
Crescem pujantes e, depois, declinam,
Lembrando apenas sua plenitude.

Então a idéia dessa instável sina
Mais rica ainda te faz ao meu olhar;
Vendo o tempo, em debate com a ruína,

Teu jovem dia em noite transmutar.
Por teu amor com o tempo, então, guerreio,
E o que ele toma, a ti eu presenteio.


William Shakespeare


5 comentários:

  1. Bom dia

    Pois....Soberbo este Soneto. Amei.

    Excelente sábado.
    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. É um bonito poema conciliado com duas belas imagens!
    Um bom fim de semana Maria Rodrigues!

    ResponderEliminar
  3. Soneto lindo!! Muito bem escolhido..
    Linda imagem, um campo de lavanda?
    Bom fim de semana.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Ola Amiga lindo este poema ! Nascer, crescer viver a beleza da juventude e envelhecer enfrentar esse declínio, que aqui dizemos ser a idade do "Condor" dor aqui dor ali, é muito difícil !! Mas, é a vida.
    Muitas saudades
    Beijinhos Léah

    ResponderEliminar
  5. Oi querida amiga Maria, vim lhe desejar um final de semana maravilhoso, beijos e fique com Deus!!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo