segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Minha Aldeia - Poema de António Gedeão




Minha aldeia é todo o mundo.
Todo o mundo me pertence.
Aqui me encontro e confundo
com gente de todo o mundo
que a todo o mundo pertence.

Bate o sol na minha aldeia
com várias inclinações.
ângulo novo, nova ideia;
outros graus, outras razões.
Que os homens da minha aldeia
são centenas de milhões.

Os homens da minha aldeia
divergem por natureza.
O mesmo sonho os separa,
a mesma fria certeza
os afasta e desampara,
rumorejante seara
onde se odeia em beleza.

Os homens da minha aldeia
formigam raivosamente
com os pés colados ao chão.
Nessa prisão permanente
cada qual é seu irmão.
Valências de fora e dentro
ligam tudo ao mesmo centro
numa inquebrável cadeia.
Longas raízes que imergem,
todos os homens convergem
no centro da minha aldeia.


António Gedeão




10 comentários:

  1. Oi Maria, mais um poema escolhido a dedos, parabéns...
    Amei!
    Bjsssss amiga e uma semana de sucesso e abençoada p/vcs

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso...delícia ler esse poema!
    Boa semana Maria! bjsssss

    ResponderEliminar
  3. Oi Maria,
    Se sua aldeia é de todo mundo, apesar da distância, vim conhecer minha aldeia.
    Abç
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  4. Boa tarde, Minha Aldeia trás-me recordações da liberdade vivida, poema lindissimo do António Gedeão .
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Costuma-se dizer:
    - Quem não há-de gabar a noiva, senão o noivo...
    Beijinho para si!

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria! Aceite meus sinceros agradecimentos pelas belas e carinhosas palavras de felicitações deixadas no teu comentário, quando das comemorações do meu aniversário. Muito obrigado de coração.

    Belo poema do António Gedeão. Ótima escolha! Parabéns!

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  7. Por que Maria?
    Obrigada por tudo, estava tentando arrumar o meu designer.
    Que Deus lhe de muita sorte!
    Abç
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  8. Gostei do poema pois tambem o partilhei no meu blogue

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo