quarta-feira, 10 de maio de 2017

Da minha Janela - Poema de Florbela Espanca





Mar alto! Ondas quebradas e vencidas
Num soluçar aflito e murmurado...
Ovo de gaivotas, leve, imaculado,
Como neves nos píncaros nascidas!

Sol! Ave a tombar, asas já feridas,
Batendo ainda num arfar pausado...
Ó meu doce poente torturado
Rezo-te em mim, chorando, mãos erguidas!

Meu verso de Samain cheio de graça,
Inda não és clarão já és luar
Como branco lilás que se desfaça!

Amor! teu coração trago-o no peito...
Pulsa dentro de mim como este mar
Num beijo eterno, assim, nunca desfeito!...



Florbela Espanca



18 comentários:

  1. Lindo! Não conhecia, obrigado por me dares esse prazer!

    Sem tempo para acompanhar os blogues, continuo acompanhar o meu genro que luta pela vida.

    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  2. Florbela entendia como ninguem transformar o cotidiano em poesia... lindo poema...

    Beijos...

    ResponderEliminar
  3. Oi, Maria!

    Delícia ler um poema da Florbela Espanca em seu espaço!
    Adoro a intensidade, o amor e sua complexidade!...

    Beijo grande! =)

    ResponderEliminar
  4. Uma janela com uma paisagem agitada e uma revelação boa para mim . A poeta Florbela Espanca.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Amo os poemas desta eterna Poetisa!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Adoro a sensibilidade de Florbela.

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  7. Bom dia Maria Rodrigues! Vim agradecer sua visita e por seguir meu cantinho e seguir o seu que amei! Sou fã de Florbela Espanca e esse poema é divino. Nos remete a um ser que vivencia momento de dor, observando o mundo lá fora com sua alma entristecida,mas seus olhos enxergam tanta beleza. Lindo! Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Linda escolha do poema amiga Maria, amei ler!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  9. Sempre um prazer enorme ler os lindos poemas da Florbela Espanca que tanto gosto ,muitos beijinhos felicidades querida amiga.

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde, da lindas janela citar Florbela Espanca é maravilhoso.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
  11. a imagem está muito bem para o soneto da Florbela Espanca
    uma boa partilha
    :)

    ResponderEliminar
  12. Oi Maria,
    Gosto de ler Florbela Espanca...
    não conhecia esse poema e apreciei muito!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  13. Florbela e seus poemas transbordantes...
    Lindo, lindo, lindo!
    Abraço carinhoso.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.