12/06/2024

Preságio Poema de Fernando Pessoa





O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...


Fernando Pessoa




13 comentários:

  1. Es un bello poema. Te mando un beso.

    ResponderEliminar
  2. Uma linda declaração amorosa.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. What a beautiful poem by Fernando Pessoa!!
    The best to get some energy in the morning!!
    Thank you Maria!

    ResponderEliminar
  4. Pessoa sempre maravilhoso! Linda escolha! beijos, chica

    ResponderEliminar
  5. Bom dia, Maria
    Lindo poema de Fernando Pessoa, o amor é rico em bondade, um forte abraço.

    ResponderEliminar
  6. Genial, como só Fernando Pessoa sabe dizer!
    Boa semana! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  7. Ola, querida amiga Maria!
    A penúltima estrofe diz muito para mim.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Unbelievable how beautiful it is

    ResponderEliminar
  9. After I used Google translation, it turned out that Portuguese poetry was good too. Warm greetings from the islands

    ResponderEliminar
  10. Amei ler este poema especialmente hoje, Maria. Lindo e escrito com o coração. F Pessoa será sempre profundo e direto.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Me parece muy bonito. Gracias María. Besos.

    ResponderEliminar
  12. Un gran poema de un grande de las letras portuguesas.

    Saludos.

    ResponderEliminar

VOU DE FÉRIAS
Meus amigos, irei estar ausente de 15 de Julho e 15 de Agosto, deixo os meus posts agendados. Não sei se conseguirei retribuir as vossas visitas, pois vou estar fora de Portugal, mas logo que seja possível irei visitá-los.

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo