sexta-feira, 26 de março de 2021

Eu vi uma rosa - Poema de Manuel Bandeira




Eu vi uma rosa
- Uma rosa branca -
Sozinha no galho.
No galho? Sozinha
No jardim, na rua

Sozinha no mundo.

Em torno, no entanto,
Ao sol de meio-dia,
Toda a natureza
Em formas e cores
E sons esplendia.

Tudo isso era excesso.

A graça essencial,
Mistério inefável
- Sobrenatural -
Da vida e do mundo,
Estava ali na rosa
Sozinha no galho.

Sozinha no tempo.
Tão pura e modesta,
Tão perto do chão,
Tão longe da glória
Da mística altura,
Dir-se-ia que ouvisse
Do arcanjo invisível
As palavras santas
De outra Anunciação.


Manuel Bandeira




13 comentários:

  1. Eu vi uma rosa
    - Uma rosa branca -
    Sozinha no galho.
    No galho? Sozinha
    No jardim, na rua

    Sozinha no mundo.

    Olá, querida amiga Maria!
    Que introdução tão linda!
    Não me recordo do poema do escritor que tanto admiro.
    Escolha belíssima uma vez mais a sua, amiga.
    Seja muito feliz e abençoada!
    Beijinhos carinhosos e fraternos

    ResponderEliminar
  2. Belo poema de Manuel Bandeira!
    Por vezes nos sentimos sozinhos no mundo. Tal qual esta Rosa. No entanto, nascerão novos rebentos que se transforma rão em lindas rosas, para encher o jardim.

    Muito lindo!

    Ótima sexta feira!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. Uma rosa sozinha que resultou num lindo poema.
    Beijo, bfds

    ResponderEliminar
  4. Lindo! Grata pela partilha
    Abraço, saúde e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Manuel Bandeira sempre é bom de ler! linda! bjs, chica

    ResponderEliminar
  6. Um belo poema do Manuel Bandeira.
    Excelente escolha.
    Bom fim de semana, querida amiga Maria.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Um belo e profundo poema, assim como é uma Rosa. Tão simples, misteriosa e perfumada!
    Bom fim de semana... Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Una bella poesía dedicada a tan especial flor.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  9. Hola María. Precioso poema. Feliz fin de semana. Besos.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo