terça-feira, 10 de novembro de 2015

Canção Desesperada




Nem os olhos sabem que dizer
a esta rosa da alegria,
aberta nas minhas mãos
ou nos cabelos do dia.

O que sonhei é só água,
água só, roxa de frio.
Nenhuma rosa cabe nesta mágoa.
Dai-me a sombra de um navio.



Eugénio de Andrade


17 comentários:

  1. Lindo :-( Identifiquei-me, hoje!

    Beijo de boa noite

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria,

    Belo poema deste premiado poeta português.
    Adorei a oportunidade de lê-lo.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. A beleza poética incontornável, de Eugénio de Andrade com a leveza da imagem
    Beijinho, Maria

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Maria, excelente poema de Eugenio de Andrade.
    Adorei!
    Bjs Ailime

    ResponderEliminar
  5. Oi Maria,
    Que lindo.....
    Uma linda noite
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderEliminar
  6. Um belo poema do mestre Eugénio de Andrade.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Lindo poema...
    Obrigada pela visita !
    Uma boa quarta !
    Anna

    ResponderEliminar
  8. Lindo poema, pelo ritmo parece uma canção.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Vamos mandando a magoa embora e que venha alegria

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  10. Nada além do sentimento que pode dizer realmente o que diz o coração.
    beijinhos

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  11. Olá Maria!
    O grandioso Eugénio de Andrade! Um dos meus poetas preferidos.
    xx

    ResponderEliminar
  12. Simplemente HERMOSO Maria tienes magia en tu pluma y en ella está tu corazón,,

    Gracias por compartir
    Besitos mi niña

    ResponderEliminar
  13. Olá Maria, minhas desculpas pela demora em retribuir sua visita. Parabéns pela escolha do post, Sempre Eugênio, gênio da literatura portuguesa.
    Bjinho no coração.

    ResponderEliminar
  14. Mais uma escolha admirável, por aqui... Adorei!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar
  15. Admirável, como todos os poemas de Eugénio de Andrade!
    Beijo

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo