quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A minha hora - Poema de Saúl Dias




Que horas são? O meu relógio está parado,
Há quanto tempo!...
Que pena o meu relógio estar parado
E eu não poder marcar esta hora extraordinária!
Hora em que o sonho ascende, lento, muito lento,
Hora som de violino a expirar... Hora vária,
Hora sombra alongada de convento...

Hora feita de nostalgia
Dos degredados...
Hora dos abandonados
E dos que o tédio abate sem cessar...
Hora dos que nunca tiveram alegria,
Hora dos que cismam noite e dia,
Hora dos que morrem sem amar...

Hora em que os doentes de corpo e alma,
Pedem ao Senhor para os sarar...
Hora de febre e de calma,
Hora em que morre o sol e nasce o luar...
Hora em que os pinheiros pela encosta acima,
São monges a rezar...

Hora irmã da caridade
Que dá remédio aos que o não têm...
Hora saudade...
Hora dos Pedro Sem...
Hora dos que choram por não ter vivido,
Hora dos que vivem a chorar alguém...

Hora dos que têm um sonho águia mas... ai!
Águia sem asas para voar...
Hora dos que não têm mãe nem pai
E dos que não têm um berço p'ra embalar...
Hora dos que passam por este mundo,
De olhos fechados, a sonhar...

Hora de sonhos... A minha hora
- 'Stertor's de sol, vagidos de luar -
Mas... ai! a lua lá vem agora...
- Senhora lua, minha senhora,
Mais um minuto para a minha hora,
Mais um minuto para sonhar...

Saúl Dias 



6 comentários:

  1. Que forma linda de se lamentar!Muito poética.

    ResponderEliminar
  2. oi Maria,

    sempre é hora de sonhar,
    sempre é hora de admirar a lua e se inspirar,
    sempre é hora de poetizar e amar...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Seu Blog é um amor!!!
    Já estou seguindo!!!
    Belo poema!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Fã Page

    ResponderEliminar
  4. As Horas do tempo muito bem conduzidos pelo Poeta.
    Parabéns.



    Beijo



    SOL

    ResponderEliminar
  5. Gostei do poema. Penso que nunca tinha lido nada deste autor antes deste poema.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo